Certamente deixar ir é mais fácil de dizer do que praticar, é uma decisão que não é feita de maneira imprevista, mas leva tempo para tomar forma, é o reconhecimento que nos leva à decisão, muitas vezes dolorosa, de fechar um capítulo e seguir em frente com menos companheiros em nosso caminho.

Deixar ir pode trazer muitas mudanças, pode nos localizar em realidades para as quais não estamos preparados, mas geralmente quando essa decisão toma conta de nossos corações, qualquer caminho a ser tomado será mais benéfico do que esperar que um milagre aconteça, continuar fazendo esforços em seres humanos ou manter qualquer situação que há muito tempo perdeu seu significado.

Nós tendemos a atrasar a decisão de deixar ir, mesmo quando isso gerou apego, e deixou, mas não é necessário que uma pessoa permaneça apegada. Podemos ficar presos a situações, sentimentos, pessoas, lugares, etc … pelo simples medo de não nos encontrar, de não saber o que nos acontecerá depois de nos soltarmos.

Segure-se em algo ou alguém nos faz ser conhecido, embora isso não nos levam ao sofrimento, tristeza, culpa ou ansiedade, muitas vezes preferem o desconforto do que nós próprios, que a incerteza do que pode vir a nós então.

Mas acontece que o que vem a nós sempre dependerá de nós e, obviamente, nada mudará enquanto nossas energias forem mal canalizadas para algo ou alguém que não deveria mais estar em nossas vidas, em nossas mentes ou em nossos corações.

Corte de coração com aquilo que não faz sentido manter, é compreender que temos de dar espaço para novas oportunidades, para liberar a manilha que nos mantém à frente e simplesmente localizar pessoas consistentemente como parte de nosso passado, dando-lhes o seu lugar corresponder, sem pretender que esse lugar mude com o tempo, sem guardar falsas esperanças nos turnos que a vida dá, aceitando apenas que um ciclo deve ser fechado e somos capazes de lidar com essa realidade.

Tanto quanto nós pode se arrepender, se entendermos que há fortes razões para cair, não é conveniente para grandes expansões em termos da decisão, passa mais tempo, as consequências mais negativas temos e podemos nos ver cada vez mais identificado com essa situação que nos custa deixar ir.

Somos feitos para fluir com a vida, com cada uma de suas situações, quando resistimos, quando não aceitamos, é quando nos expomos a um sofrimento maior. Tudo é transitório, tudo muda, deixa-nos adaptar a realidade como ela é e flua com ela, buscando sempre o nosso bem-estar e o da maioria das pessoas envolvidas.

Deixar ir não significa deixar de querer ou arrancar alguém do coração, mas é dar-lhe o devido lugar, curando o que precisa ser curado, mesmo se doí intensamente.

Via Rincón del Tibet, tradução A Soma de Todos os Afetos

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

2 COMENTÁRIOS

  1. Quero te parabenizar por tantos textos profundos e ao mesmo tempo leves,capazes de alcançar o coração e a razão de quem lê.Continue a nos presentear com sua palavras e com sua dicas de filmes e livros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here