Mary Porto, uma brasileira de 74 anos, e Raymond Widmer, um suíço de 75 anos, tiveram uma nova chance no amor ao se reencontrarem 55 anos após terminarem seu relacionamento.

Instagram @a_carta_amarela

Tudo começou em 1958, quando ambos eram jovens de 18 e 19 anos, respectivamente. Mary havia se mudado para a Bélgica para trabalhar com o pai e passou a estudar em uma escola de arte em Lausanne, na Suíça.

“Na secretaria, enquanto eu me apresentava no instituto, um belo rapaz ficou me olhando. Eu não prestei atenção, porque estava nervosa, concentrada, mas depois daquele dia, comecei a perceber que em todos os lugares que eu ia, havia essa figura sorridente olhando para mim. Tomei coragem e o convidei para tomar um café”, contou ela.

Instagram @a_carta_amarela

Alguns encontros foram necessários para que Mary e Raymond avançassem na relação. Eles começaram a andar de mãos dadas e se apaixonavam cada vez mais. O amor entre os dois era óbvio, mas eles deram um passo adiante quando Mary tomou a iniciativa. “Não gosto de perder tempo. Então eu decidi que era hora e dei um beijo nele. Se tiver que ser, será, senão acabou”, lembrou.

O relacionamento durou mais de 6 meses e depois, mais meio ano por correspondência, já que Mary teve que voltar para o Brasil. Como estavam longe, a paixão foi diminuindo e as cartas entre os dois foram ficando cada vez mais demoradas, até que pararam de chegar.

Instagram @a_carta_amarela

Nessa época, a jovem reencontrou Samuel, com quem se casou e teve dois filhos. Eles ficaram juntos por 16 anos, mas depois se divorciaram. Mary se casou mais duas vezes.

“Aos 70 anos, eu disse que tinha saído do mercado e que não queria mais ter nada a ver com homens. Eu tinha casado três vezes, estava cheia, queria envelhecer em paz e ser avó. Mas aos 74, tudo mudou”, contou ela.

Instagram @a_carta_amarela

Foi em um dia corriqueiro que Mary recebeu uma carta amarela com um selo suíço. “Quando peguei a carta, foi muita emoção, o fantasma dele quase se materializou na minha frente. Eu não podia acreditar”, contou ela.

Na carta, Raymond escreveu que apesar de ser casado, nunca esqueceu seu amor, e que enquanto estava organizando suas gavetas, encontrou um presente que ela havia lhe dado. O suíço foi até o Consulado de Genebra procurar o endereço de Mary.

Instagram @a_carta_amarela

O contato entre os dois ficou cada vez mais frequente e novamente foi Mary quem tomou a decisão de ir atrás de Raymond. “As pessoas me perguntam: como você teve coragem? E sinceramente não sei. Resolvi pagar para ver”, disse.

Eles se viram pessoalmente e foram tantas emoções que, em apenas uma semana após o reencontro, Raymond pediu Mary em casamento.

Instagram @a_carta_amarela

“Eu não estava aberto ao romance, mas o que vivemos foi muito especial. Então valeu a pena tentar. E nossa grande surpresa foi termos envelhecido de maneira semelhante. Hoje podemos passar horas sem dizer uma palavra, cada um no seu canto, e felizes”, disse a noiva.

“Eu realmente acho que foi um milagre o que aconteceu conosco. Nosso negócio é viver o hoje, feliz e junto. O amor não envelhece, pelo contrário, é a fonte da eterna juventude”, concluiu.

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui