Há um mês passei por uma crise de ansiedade e, em decorrência do stress, meu corpo adoeceu gravemente. Tive uma pielonefrite com uma bacteremia que deixou os médicos em alerta, correndo com injeções e tentando evitar uma septicemia. O fato é que me assustei. De cama, com febre alta, calafrios e muita dor, refleti sobre a forma como vinha me tratando; como vinha lidando com minhas emoções e meus limites.

Muitas vezes, não damos ouvidos aos sinais que nosso coração emite, e acreditamos que podemos enfrentar tranquilamente qualquer tipo de situação.

Quantas histórias já não ouvimos falar a respeito de alpinistas que, por desejarem tanto chegar ao cume da montanha, não deram ouvidos aos riscos que corriam e acabaram perdendo a vida? Ou de paraquedistas que não quiseram levar em consideração a força do vento, e se acidentaram gravemente por saltar em um dia inapropriado?

Da mesma forma, algumas vezes machucamos nosso coração por acreditar que aquele tipo de relacionamento não irá nos ferir, ou aquela pessoa não irá nos desestabilizar, ou aquele vínculo não irá mexer em antigas feridas, ou aquela conexão não trará à tona nosso lado mais sentimental e vulnerável. Fingimos não ver os sinais, suportamos mais do que podemos tolerar, e disfarçamos nosso mal estar com uma postura relaxada e descolada, quando no fundo estamos ultrapassando nossos limites.

Às vezes queremos tanto alguma coisa, que a mente racional nos trai. Ela diz: “vem!” “está tudo bem!”. Porém, apesar dela nos assegurar que o mar está tranquilo, ou que estamos no controle de nós mesmos, pode ser um engano. Externamente conduzimos bem as coisas; mas internamente, não. Queremos tanto acreditar que damos conta da situação que acabamos não ouvindo nossa alma, a única que conhece os limites do nosso coração.

Apesar da mente consciente muitas vezes parecer calma e equilibrada, o inconsciente abriga pulsões de vida e morte, e é um oceano tumultuado, com grandes mistérios e alguma fúria nas profundezas. Alguns encontros nos trazem paz, pois não tocam nossos abismos. Outras relações, porém, são intensas e desafiadoras, pois despertam nosso “monstro” adormecido e, dessa forma, nos fragilizam mais.

Rupi Kaur, escritora indiana que admiro, tem uma frase no livro “O que o sol faz com as flores”, que diz: “O que pode ser mais forte que o coração da gente, que se quebra em tantas partes e ainda bate?” Essa frase sempre me recorda um conceito que se fundamenta na ideia de que tudo passa – tanto os bons quanto os maus momentos. Assim, é preciso aproveitar os momentos bons com sabedoria (pois eles passam). E tolerar os momentos ruins com resiliência (pois eles também passam). Como um milagre, o coração da gente tem uma plasticidade impressionante, capaz de suportar a despedida dos momentos bons, e igualmente capaz de resistir às adversidades. Porém, é um coração que segue batendo com saudades e cicatrizes.

Assim como um membro fraturado, algumas vezes seu coração ficará tão machucado que precisará ser colocado no gesso. E, como tal, terá que ficar quietinho, sem grandes baques, sem tanta movimentação. É preciso respeitar o tempo de recuperação de um coração que foi engessado. É preciso pausar a intensidade e buscar a tranquilidade. O momento é de repouso, quietude e recolhimento. E depois, quando ele se recuperar, é preciso cuidado. Um passo por vez, como numa fisioterapia de readaptação.

Porém, é sempre bom lembrar: você nunca vai se curar voltando para o que te deixou em pedaços…

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Fabíola Simões é dentista, mãe, influenciadora digital, youtuber e escritora – não necessariamente nessa ordem. Tem 4 livros publicados; um canal no Youtube onde dá dicas de filmes, séries e livros; e esse site, onde, juntamente com outros colunistas, publica textos semanalmente. Casada e mãe de um adolescente, trabalha há mais de 20 anos como Endodontista num Centro de Saúde em Campinas e, nas horas vagas, gosta de maratonar séries (Sex and the City, Gilmore Girls e The Office estão entre suas preferidas); beber vinho tinto; ler um bom livro e estar entre as pessoas que ama.

6 COMENTÁRIOS

  1. Um dos seus melhores textos, Parabéns,na verdade meu coração já estava no gesso a um bom tempo.Lendo esse texto foi a confirmação,agora sim ele conhecerá o sentimento , sentirá realmente o que é Amar de verdade,pois ele nunca amou, lamentável dizer isso e ao mesmo Tempo confiante de que será possível um dia. Quais as sensações do Amor,as palpitações,o brilho ,as fantasias ,as alegrias e até mesmo as tristezas? E quando falo nesse tipo de Amor,que é o Amor entre duas pessoas. Obrigada pelos textos maravilhosos,pela inspiração e o melhor de tudo incentivo para finalmente poder viver um dia um Amor de verdade.

  2. Mais um texto em que me identifico totalmente.
    Amo os seus textos, eles sempre me ajudam a entender e a passar melhor por alguns momentos da minha vida. Esses dias li uma frase assim: ” Acima do que o corpo quer, está o que a alma necessita”. As vezes queremos tanto está ao lado de alguém, que fingimos não enxergar o mal que ela nos faz, vamos acumulando tristezas, decepções até que isso “explode” em um mal físico, e temos que escolher entre o “outro” ou a nós mesmos. Eu escolho agora a mim! Quero está bem e inteira ao lado de alguém. Minha alma deseja está em paz e com alguém que me dê motivos para isso!

    • Boa Tarde.
      Amei o seu comentário Silvia,vivi isso recentemente e me perguntava porque estava aceitando tudo aquilo e aos poucos percebi ,que não era amor,se fosse não aguentaria tanto sofrimento. E sim por comodismo e medo de perder tudo que conquistei na vida.

  3. Boa tarde Sandra!
    Que bom que despertou que amor não gera sofrimentos. Problemas em relacionamentos todos vamos ter, pois duas pessoas, são dois “mundos” diferentes.
    Mas quando percebemos que o outro nos dá mais motivos de tristeza do que alegrias, tá na hora de rever as prioridades e pensar em nós mesmas, já que o outro não está se importando muito em nos ver bem!
    Boa sorte!

  4. Boa Tarde Silvia!

    Pensei muito durante essa semana,percebi que a minha conexão com Deus,estava falha demais. Então retomando essa conexão, entendi que tudo está nas mãos dele, não vou forçar a barra, também resolvi priorizar meus objetivos,viver um dia de cada vez e entregar tudo nas mãos de Deus.Desejo a você toda felicidade do mundo, pois o futuro a Ele pertence.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui