Sheryl Wynne, de 39 anos, é uma mulher West Yorkshire, no Reino Unido. A inglesa dividiu opiniões quando revelou que seus filhos, de 5 e 6 anos, ainda são amamentados.

Ao Daily Mail, a mãe revelou que só deixará de amamentar os pequenos quando eles mesmo disserem que estão prontos para largar o peito. Sheryl acredita que que amamentar os filhos, que já frequentam a escola, é “completamente normal”, ajuda a tornar a família “mais próxima” e “acalma” os garotos.

Foto: Arquivo Pessoal

Os meninos são amamentados antes de ir à escola, à noite e de madrugada. A mãe conta que já chegou a amamentar o caçula no parquinho do colégio. Ela acredita que a amamentação seja uma “ferramenta” que ajuda a confortar os meninos quando estão chateados ou doentes.

Mas, a mãe sabe que muitas pessoas discordam de suas atitudes e reconhece o tema polêmico. Ela recebe muitas críticas de familiares por ainda amamentar os meninos. “Penso em quando vou parar de amamentar o tempo todo, mas nunca pareceu certo encerrar isso desnecessariamente”, disse Sheryl.

“É o que eles pedem e é biologicamente natural, mesmo que não seja comum na sociedade. Comecei a falar com Riley [filho de seis anos] sobre interromper a amamentação quando ele tinha três anos, mas ele respondeu que não pararia de mamar antes dos 10. Respeito isso, pois acredito que a escolha não é só minha, tem que partir de ambos porque é algo que fazemos juntos.”, diz a mãe.

“Se eles estão doentes ou irritados pedem para ser amamentados porque sabem que os acalma”, explica. “Eles querem ficar perto e no meu colo mesmo quando não estão mamando. Tive muita sorte, pois nunca recebi comentários negativos de desconhecidos, mas alguns familiares me pressionam para parar de amamentar e afirmam que alguns problemas de comportamento dos meninos são por causa da amamentação tardia. A meu ver, são coisas de crianças”.

A mãe também conta que os olhares e comentários dos familiares afetaram a amamentação do filho mais velho. “O caçula é mais confiante e as vezes pede para ser amamentado no parquinho em frente a escola. Pensei em dizer a ele que não iríamos fazer isso ali porque outras pessoas poderiam ver e se incomodar, mas não quero transmitir minhas ansiedades para ele, então concordo quando pede”, disse.

Foto: Arquivo Pessoal

Sheryl acrescentou que a amamentação foi também positiva para ela, como mãe. “Tive um parto traumático e por causa dessa experiência me senti um fracasso. Sentia que havia falhado com meu filho, então coloquei na cabeça que a amamentação precisava ser um sucesso. Foi algo que me deu mais confiança como mãe”, explicou.

Compartilhando sua história e hábitos, Sheryl pretende desconstruir os mitos em relação a amamentação e naturalizar o tempo de cada criança para deixar o hábito.

Com informações de Revista Crescer

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui