Karina Chiktova é uma garotinha de 3 anos que estava em uma viagem junto de sua mãe, Talina Chiktova, para uma pequena cidade russa, a fim de se encontrar com a avó. Na mesma cidade morava o pai da pequena que, de vez em quando, cuidava dela.

Foto: Reprodução

A mãe decidiu que deixaria a pequena alguns dias na casa do pai e assim a menina dormiu na casa por algumas noites, mas no terceiro dia o homem contatou Talina com uma notícia horrível.

Acontece que a criança, ao ser deixada sozinha em casa, deixou o local desamparada. A partir daí, começaram as buscas por Karina. A população da cidade se mobilizou para ajudar, mas não tiveram sucesso ao procurá-la pela cidade. Restava agora procurá-la na floresta.

Foto: Reprodução

Karina ficou dias perdida em uma floresta que chegava a – 31ºC e a equipe de busca começou a perder as esperanças de encontrá-la com vida.

Mas, foi aí que algo inesperado aconteceu: um cãozinho muito magro apareceu e correu até as pessoas que procuravam Karina. A equipe de busca logo percebeu que este animalzinho poderia ter uma importante mensagem para comunicar.

Eles seguiram o peludo por alguns metros até que avistaram Karina deitada sobre a grama. A pequena estava com muitas picadas de insetos e foi levada ao hospital onde recebeu todos os cuidados que tanto necessitava.

Foto: Reprodução

A menina, depois de se recuperar, contou que foi o seu amigo de quatro patas que a protegeu do frio e dos animais selvagens. À noite, ele dormia ao lado dela, para aquecê-la e protegê-la.

Como um ato de gratidão, a família nomeou o cachorrinho de Nayda. Este lindo nome significa “altruísta’’.

Foto: Reprodução

Essa história tão comovente serviu de inspiração para um artista, que fez um monumento chamado de “A menina e o cachorro’’. A obra fica em frente ao aeroporto da cidade de Yakutsk.

 

Com informações de Refletir para Refletir

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

  1. Não entendi o fato de terem deixado a menina SOZINHA em casa. Eu faria o mesmo que ela fez: sairia à procura de alguém, de preferência um ser humano que não me deixasse sozinha de novo. Crianças pequenas não sabem lidar com a solidão; sentem medo porque são vulneráveis, é óbvio. Eu hein.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui