Eliza J. é uma mãe que fez um relato honesto sobre sua experiência com a maternidade. Para ela, aquele fora o momento mais feliz da sua vida, mas para as outras pessoas nem tanto.

Hoje, ela pede diariamente às pessoas que mostrem maior sensibilidade quando o assunto são crianças com deficiência. Rejeição, discriminação e decepção foram algumas das reações que Eliza teve que enfrentar junto com sua filha, desde que ela nasceu.

Foto: Arquivo pessoal

A filha de Eliza nasceu com uma síndrome rara e em entrevista ao Love What Matters, a mãe contou sobre as expectativas e como sempre quis engravidar, sonho que compartilhou com o marido.

Na verdade, durante o período de espera, todos estavam ansiosos pela chegada da menina, a que se chamaria Bella. Todos falavam sobre as características físicas que o bebê herdaria, por exemplo, quem ela poderia se parecer. No entanto, essa situação mudou completamente de um momento para o outro.

Foto: Arquivo pessoal

Um mês antes da data de nascimento a bolsa de Eliza estourou e isso a preocupou porque nada estava 100% pronto. Sem escolha, ela foi ao hospital e já em trabalho de parto, coisas estranhas começaram a acontecer, e ela percebeu que os médicos conversavam muito entre si.

Demorou 12 horas para Bella finalmente vir ao mundo. Ao vê-la pela primeira vez, notou que a orelha da filha era torta e ela era muito pequena, mas achou que era normal, pois ouvira dizer que as crianças nascem “enrugadas”.

Foto: Arquivo pessoal

Antes mesmo de ver a filha, ela já estava animada com a chegada, mas os olhares ao seu redor não diziam o mesmo. A mulher não recebeu parabéns, nem mesmo do marido, que parecia assustado.

Rapidamente, vários profissionais vieram ver sua filha e ninguém disse uma palavra até que decidiram levá-la para um atendimento especial. Foi nesse momento que Eliza pediu para ver seu bebê e desmaiou de emoção. Mesmo que ela tivesse notado que a pequena era diferente, ela só queria oferecer seu amor e carinho.

Finalmente, e após vários procedimentos médicos, a pequena Bella foi diagnosticada com síndrome de Treacher Collins, uma condição hereditária que impede o desenvolvimento de alguns ossos e tecidos da face, obrigando os pacientes a se submeterem a cirurgias desde cedo.

Foto: Arquivo pessoal

Embora tanto Eliza quanto o marido façam um esforço diário para oferecer a melhor vida à filha, a mãe pede à sociedade em geral que seja mais sensível quando situações semelhantes ocorram. Ela garante que a vida fica muito mais fácil com a ajuda das pessoas.

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns Eliza, porque você e seu esposo são especiais, tanto quanto Bella. O acaso não existe. Por isso ela os achou e se aninhou nos braços de vocês, para ser ninho e berço, confiante no olhar de vocês nos olhos dela, nas mesmas luzes misturados para ser o sol de cada dia. Vocês foram escolhidos para ser os melhores pai e mãe que não seriam tanto, se Bella não nascesse de vocês. Bella chegou para torna-los especiais e mais bonitos, muito mais do que seriam, sem ela. Parabéns Eliza e parabéns Papai. Todo amor desse mundo cabe inteiro no abraço de vocês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui