O podcast do G1, “Prazer Renata”, apresentado pela jornalista Renata Ceribelli, contou com a participação da atriz Monica Iozzi que fez uma série de comentário pertinentes sobre relacionamentos abusivos e revelou já ter sido agredida.

“Faz muitos anos e acho que é importante da gente falar: a importância da gente falar com nossas meninas e nossos meninos sobre isso. Eu era muito jovenzinha, um relacionamento dos meus primeiros namoros. Cobria todos os capítulos da cartilha de um relacionamento abusivo. Da pessoa te afastar dos seus amigos, questionar a roupa que você usa, te agredir verbalmente, te chantagear, dizer que você não vai conseguir ninguém melhor do que ele, tentar te diminuir. A pessoa quer que você se sinta pior que você é pra você se sentir dependente dela”, desabafou Monica Iozzi.

A atriz continua com sua fala, que causou identificação em muitos internautas: “É um sequestro psicológico, eu me sentia sequestrada por aquela relação”. Monica também falou sobre o processo de ‘despertar’: “Só fui começar a pensar em cair fora e pedir ajuda, quando fui agredida fisicamente. Até eu ser agredida, eu achava aquilo uma prova de amor. Ele me ama muito, ele me protege muito. Ele perdeu um pouco a cabeça”, disse.

“Eu só comecei a me ligar quando ele realmente sentou a mão na minha cara. Ali eu percebi que o buraco era mais embaixo, e eu acho que é isso que muitas mulheres sofrem, principalmente quando você é jovem, ou então quando você tem filhos com essa pessoa, ou então quando você tem uma dependência financeira”, revelou.

Os relacionamentos abusivos infelizmente estão muito presentes em diversas casas brasileiras. Nesse tipo de relação predomina o excesso de poder de uma pessoa sobre a outra. Nem sempre existe agressão física: o enredo é complexo, envolvendo manipulações, humilhações e violências psicológica, financeira, patrimonial e sexual.

Com informações de Catraca Livre

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui