O ator Luciano Szafir foi uma das vítimas da Covid-19, o ator chegou a ter uma longa internação por conta das complicações da doença. Agora, quase dois meses fora do hospital, ele disse que ainda não está 100%, mas está no caminho.

Em uma entrevista ao Canal Extra, ainda utilizando uma bolsa de colostomia, o ator deu detalhes da sua recuperação. Luciano irá passar por uma cirurgia de reconstrução intestinal em novembro, e até lá, terá que conviver com a bolsa.

“Para amarrar os sapatos, um dos lados ainda está complicadinho. Caminho devagar senti uma dorzinha, mas não é nenhum bicho de sete cabeças perto do que passei.”, disse o galã, de 52 anos.

Durante a entrevista, Szafir afirma ter novos hábitos, como fazer terapia e reservar momentos para meditação, que estão o ajudando neste período. Quando perguntado sobre o medo de morrer, Luciano respondeu: “Varias vezes.” e relatou um momento que passou.

“Um episódio me traz arrepio até de falar. Tive arritmia cardíaca. Acordei às duas da manhã sem entender por que tinha tantos médicos a minha volta. Olhei o monitor e meus batimentos cardíacos chegavam a 180. A enfermeira me mandou segurar na mão dela ao me dar um remédio e disse: “Vai melhorar, mas antes vai piorar muito”. Na mesma hora, senti uma queimação, como se fosse uma lava dentro do corpo. Os batimentos aumentaram, ouvi o “piii” e vi o traço no monitor. É como nos filmes. Pensei: vou morrer nos próximos segundos. Aí dão um reinício, como num computador, e os batimentos voltaram aos poucos.”

Felizmente, Luciano já está em casa e agora matando todas as saudades que sentiu. “A primeira coisa que fiz ao chegar em casa foi agarrar meus filhos e queria muito deitar na minha cama. Fomos todos ver um filme.”

Por fim, o ator contou que não se importa com as cicatrizes deixadas pela internação: “Minha vaidade hoje é estar vivo. Se vou ter um buraco ou barriga flácida, não estou nem aí. Não quero ser aquele tiozão que faz loucuras nem comparar meu físico com o que tinha aos 25 anos. Já tive a sorte de ter um corpo bonito, ter aquele tanquinho. Hoje, tenho uma máquina de lavar (risos) e tudo bem. Meu foco é na minha recuperação, quero poder me alimentar bem, me exercitar e ajudar o máximo de pessoas que eu puder.”, disse.

Com informações de Yahoo

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

  1. Esta pandemia veio para tirar alguma coisa da gente e nos ofertar outra. Geralmente o que ela tira, a gente só descobre depois do susto, que não era relevante mas a gente achava que era. Mas o que ela deixa, para os sobreviventes, é isso: sabedoria. E até mesmo as vidas que “se perderam” descobriram, perplexas, que se encontraram curadas e mais bonitas depois do “trauma”, e só se queixam mesmo da saudade dos amores que ficaram, apesar de terem encontrado outros, que não estavam “perdidos” também. Parabéns Luciano. Sua missão aqui continua. Vai com fé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui