Durante a sua viagem à Eslováquia, o papa Francisco disse em um encontro com jesuítas que “algumas” pessoas gostariam de vê-lo morto.

A conversa foi com os integrantes da Companhia de Jesus, ordem à qual ele mesmo pertence, e os detalhes foram divulgados pela revista jesuíta italiana La Civiltà Cattolica nesta terça-feira (21), cerca de uma semana após o retorno do pontífice.

Durante a visita surpresa dos jesuítas da cidade eslovaca de Presov, no dia 14 de setembro, Francisco disse: “Ainda estou vivo, embora alguns me quisessem morto. Sei que houve até encontros entre prelados, os quais pensavam que o Papa estava em estado mais grave do que divulgavam. Preparavam o conclave. Paciência. Graças a Deus, estou bem”.

Foto: REUTERS / Remo Casilli/NTB Scanpix.

 

Durante a conversa, Bergoglio, primeiro papa jesuíta na história, também reconheceu que, “às vezes”, perde a paciência com as críticas contra ele dentro da Igreja Católica.

“Eu, pessoalmente, posso merecer ataques e injúrias porque sou um pecador, mas a Igreja não merece isso. Isso é obra do diabo. Tem até alguns clérigos que fazem comentários maldosos sobre mim. Às vezes, eu perco a paciência, especialmente quando emitem juízos sem entrar em um verdadeiro diálogo”, declarou.

Francisco é alvo de forte oposição em alas ultraconservadoras do clero, que criticam suas aberturas a homossexuais e divorciados e até mesmo sua preocupação com a crise climática no planeta. Um dos principais expoentes desse grupo, o cardeal americano Raymond Burke, já chegou até a insinuar que o Papa é “herege”.

Papa Francisco, há pouco mais de dois meses  passou por uma cirurgia para remoção de divertículos no cólon e ficou 10 dias internado em um hospital de Roma, mas já retomou suas atividades normalmente.

Com informações de Terra

 

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui