O pequeno Webert tinha 7 anos quando começou a estudar na Escola Municipal H Dobal, em Teresina. O garoto é uma pessoa com deficiência auditiva e chegou com um histórico escolar não muito bom.

Seus professores o classificavam como um aluno “desinteressado” e diziam que já haviam feito diversos esforços para tentar ensinar ao menino por meio de Libras, a Língua Brasileira de Sinais.

Foto: Reprodução The Greenest Post

Quando Josy Silva, a professora do novo colégio, recebeu Webert em sua sala, utilizou a empatia e tentou um novo método com o aluno. Ela suspeitou o menino rejeitava aprender por meio de Libras porque a atividade só reforçava o quanto ele era diferente do restante de seus colegas.

Assim, ela decidiu implementar o ensino de Libras para toda a turma. E felizmente, o resultado foi positivo.

Todos os alunos do 1º ano do Ensino Fundamental receberam a matéria de Libras de braços abertos e adoraram o desafio. Eles gostaram tanto que, ao final do ano letivo, ganharam ‘Certificado de Proficiência em Libras – Nível 1’.

Já Webert começou a se interessar pelas atividades escolares e melhorou seu desempenho, além de se relacionar com o restante da turma.

A estratégia da professora Josy não poderia ser melhor. Ela ensinou não só uma nova língua, mas sobretudo sobre empatia e sobre a importância de respeitar as diferenças. Uma lição que, com certeza, os alunos vão levar para a vida!

Para garantir a inclusão plena de deficientes auditivos no Brasil, tramita no Senado Federal um Projeto de Lei que propõe que o ensino de Libras se torne obrigatório

Foto: Reprodução The Greenest Post

nas escolas de todo o país. A história de Webert é mais uma prova da relevância de iniciativas como essa!

Com informações de The Greenest Post

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui