Julie Hindsley é mãe de uma garotinha que identificou bem cedo o que ela queria ser: uma menina! A mãe contou que a filha, um dia, se irritou com a situação, jogou os punhos para baixo de raiva frustração por não ser tratada como uma garota.

“Eu quero ser uma menina, mamãe! Apenas me faça uma garota!“, ela dizia em voz alta para sua mãe. Enquanto isso, Julie estava chocada, com medo, tentando manter a compostura enquanto tentava conter as lágrimas.

Arquivo pessoal Julie Hindsley

“Não é tão fácil, querida, mas estou aqui para ajudá-la e podemos começar a deixar seu cabelo crescer se quiser, ok?”, a mãe se lembra contando do momento. Naquela época ela também contou ao marido o que havia acontecido, que ficou em silêncio processando tudo o que lhe foi dito.

Eles já tinham um filho e, honestamente, não estavam prontos para ter uma menina. Mas não havia nada que eles pudessem fazer. Desde que sua filha começou a se expressar, ela foi atraída pelas mesmas coisas que atraem a atenção de outras meninas. Desde usar uma toalha de girafa na cabeça para imitar longos cachos loiros esvoaçantes, até brincar apenas com personagens femininos de seus brinquedos de fantasia. Não esquecendo que cada vez que ela se desenhava, era retratada com cabelos longos e vestida de menina.

Arquivo pessoal Julie Hindsley

Na época, Julie pesquisou um pouco mais sobre crianças trans e a diferença entre a orientação sexual e identidade de gênero. Ela teria um filho gay? Ele seria mais feminino? Todas essas questões vieram à tona. Além da preocupação com o ambiente externo e com os estereótipos de gênero. Era uma situação complicada.

“No entanto, a dor constante no meu estômago sempre estaria lá para me lembrar que esta não era uma fase e que eu precisava fazer todo o possível para aceitar e proteger minha filha.”, contou Julie ao Love What Matters.

Arquivo pessoal Julie Hindsley

Quando ela começou a aceitar e proteger sua filha como uma menina trans, ela também começou a receber perguntas sobre a opinião de seu marido. Daniel, seu companheiro, a princípio sempre buscou apresentar novos brinquedos à filha, como um taco de beisebol e outras coisas que poderiam despertar seu interesse. Mas nada funcionou.

“Quando decidimos fazer um novo chá-revelação para ela, eu queria destacar a importância do papel do meu marido em sua transição. (…). Se você ama seu filho incondicionalmente, aceitá-lo como ele é nunca é uma opção, é algo que você faz. No entanto, isso não significa que seja sempre fácil. Esta viagem não foi nada fácil. Muitas vezes sou elogiada por aceitar e amar minha filha, mas, nos bastidores, estou cheia de ansiedade e medo na maioria das vezes. (…) Isso começa a ser mais fácil à medida que o apoio das pessoas ao nosso redor aumenta e vemos isso florescer totalmente”, contou a mãe.

Arquivo pessoal Julie Hindsley

Finalmente, a segunda revelação de gênero foi realizada. E a filha já tinha cabelo comprido, como ela queria. Além disso, ela estava usando um vestido bonito e o mais importante: estava feliz.

“Espero que você possa colocar de lado suas noções preconcebidas e reconhecer que minha filha não é um erro como muitos passaram a acreditar. Espero que eles vejam que ele está agora vivendo sua melhor vida e desejaria o mesmo para cada um deles, e espero que possamos ganhar mais aliados. No mínimo, espero poder ajudar pelo menos um outro pai que está lutando com a decisão de como seguir em frente com seu filho transgênero.”, completou Julie.

 

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui