O Chile não perdeu tempo na questão da preservação ambiental. No país, o uso de sacolas plásticas já está proibido em mais de 100 cidades e vilarejos. O objetivo principal é acabar com a poluição ambiental e preservar a vida marinha.

A revista Science concebeu um estudo que anunciou que oito milhões de toneladas de resíduos plásticos são jogadas nos oceanos todos os anos.

Foto: Reprodução VOX

A maior parte desses resíduos, além de contaminar o ecossistema, ainda afeta os animais marinhos que, na maioria das vezes, ficam presos nas sacolinhas plásticas e até mesmo acabam ingerindo microplásticos ao confundi-los com alimento.

Assim, o Chile adotou a medida restritiva em relação a esse material e ganhou o nobre título de primeiro país da América Latina a proibir o uso de sacolas plásticas. A lei foi assinada em 2017 e prevê multa de até US$ 300 para quem desobedecer a norma.

A lei é um tanto quando louvável, mas também possui um interesse econômico por trás de tudo isso. O Chile é o maior exportador de salmão para o mercado brasileiro e vende abundantemente para outros lugares do mundo, tanto o salmão como outras espécies como o mexilhão e truta arco-íris. Portanto, a manutenção dos ecossistemas marinhos é extremamente importante para a economia desse país.

Ao redor do mundo, Irlanda, Escócia, Dinamarca, Alemanha, Portugal e Hungria também já impuseram leis para as sacolas plásticas, obrigando os consumidores a pagarem por elas, numa tentativa de estimular seu consumo consciente.

Com informações de The Greenest Post

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui