Ann, de 78 anos e Al, de 79 são um casal do estado da Geórgia, nos Estados Unidos. Eles se conheceram no segundo ano do ensino médio. Al teve 16 irmãs, mas não cresceu com elas. Enquanto Ann foi criada por sua tia.

Na escola, Ann conta que Al era um estorvo, enquanto ele disse que ela era inteligente. Ambos contam que o momento que possivelmente mais os uniu, no início do relacionamento, foi quando Al foi convocado para o exército, servindo no Vietnã.

Ann escreveu-lhe cartas e enviou-lhe produtos de pastelaria. Até hoje, cinco décadas depois, Al ainda tem aqueles biscoitos em sua mente.

Os dois se casaram há 57 anos, mudando-se para Cincinnati e, depois de servir na guerra, Al trabalhou como motorista e gerente de ônibus por 37 anos. A adoção veio logo em seguida, com Ann e Al criando 100 meninas por três décadas. A maioria delas eram adolescentes, ambos ainda se lembram de cada uma delas. E eles contam como se fosse algo extremamente fácil.

Meg Vogel / The Enquirir

Hoje, algumas de suas filhas adotivas foram para a faculdade, outras já se mudaram para novos endereços, mas nunca se esquecem dos pais e sempre os visitam. Ambos estão atualmente aposentados de seus empregos.

Meg Vogel / The Enquirir

Ann e A vivem um luto difícil depois que uma de suas filhas, chamada Rhonda, se foi após ser diagnosticada com câncer. Desde então, Ann sempre usa um colar com sua foto. Hoje Al é quem mais fala, enquanto sua esposa não levanta muito a voz. Embora todos saibam que quem manda é ela.

Meg Vogel / The Enquirir

Na verdade, como mãe adotiva, Ann era extremamente rígida. Em casa havia regras e, por exemplo, ela sempre mandava as filhas escovar os dentes de novo quando não faziam direito da primeira vez. Ela era uma mãe severa, mas uma com a qual suas filhas podiam contar. E no momento em que chegaram, era disso que mais precisavam.

Algumas dessas meninas não apareceram mais após partirem. Os pais não conseguiram segurar todas, mas muitas ainda os visitam em cada jantar de Ação de Graças. Eles ainda são chamados, e acima de tudo para Ann, ser lembrado é o suficiente.

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui