Por Marie Miguel

Quantas vezes você esteve diante de uma pessoa de 50 anos com mentalidade de uma criança? E quantas vezes você encontrou uma pessoa de 20 anos com a mentalidade de alguém com 50 anos? Essas duas situações são mais normais do que parecem. Afinal, idade não estabelece desenvolvimento emocional. A tão chamada maturidade emocional pode ser que chegue para todos, ou não, independente da idade da pessoa.

Também chamada de inteligência emocional, esse conceito do campo da psicologia determina que o indivíduo que a alcança é capaz de lidar com as próprias emoções e entender melhor a emoção do próximo. É uma situação de pura maturidade, em que a pessoa compreende melhor os próprios anseios e é capaz de ser empática e entender melhor as ações do próximo.

Tais características são bastante benéficas para a construção de relacionamentos saudáveis. Pessoas com maturidade emocional são capazes de refletir, sentir e agir de maneira inteligente e consciente às próprias emoções, sem que essas tomem conta e atrapalhem decisões objetivas e neutras.

Afinal, quais são as qualidades que definem a maturidade emocional? Como atingi-la? Nesse artigo, você aprenderá mais sobre esse assunto. Embora a inteligência emocional seja completamente possível de ser alcançada e almejada, há várias outras questões psicológicas relacionadas à saúde mental que devem ser levadas em conta também, acesse https://www.mytherapist.com/advice/ para entender melhor sobre temas que podem te ajudar a construir a sua maturidade emocional.

Como definir a maturidade emocional?

De acordo com Rodrigo Fonseca, Presidente da Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional (Sbie) e da Associação Brasileira de Inteligência Emocional (ASbie), a maturidade emocional é definida por cinco pilares.

1. Ser autorresponsável

A pessoa tem que ter maturidade para assumir suas responsabilidades por tudo que ocorre em sua vida, reconhecer que o verdadeiro motor de sua vida é ela mesma e reconhecer seus acertos, erros, sucessos e fracassos.

2. Reconhecer emoções

O segundo pilar é a capacidade que a pessoa tem de não apenas reconhecer as próprias emoções, como também das pessoas próximas de sua convivência ou não. É compreender que emoções são mensagens, tanto pessoais como dos outros. Além disso, é também saber interpretar essas emoções.

3. Gerenciamento próprias emoções

Todo mundo já teve alguma experiência em que as emoções tomam conta. Situações como essas são comuns. Porém, o importante pilar da maturidade emocional não está em controlá-las, mas sim em ser consciente de suas próprias reações diante de situações que atiçam suas emoções. A partir da conscientização, o indivíduo é capaz de adequar melhor suas respostas e gerenciar seu comportamento.

4. Foco

Outro importante pilar da maturidade emocional é a capacidade de focar, principalmente nos pontos positivos que cada indivíduo ou situação têm.

5. Ação

Por fim, o último pilar que Rodrigo Fonseca destaca é a capacidade de agir. A pessoa com maturidade emocional passa por situações emotivas como qualquer outra pessoa, mas ela não permite que ela as controle. Pelo contrário, a pessoa com inteligência emocional é capaz de enfrentar o medo, tristeza e raiva, e reconhecer-se na alegria e amor.

Quais os passos que você precisa seguir para alcançar a maturidade emocional?

Vimos os cinco pilares da maturidade emocional. Mas como realmente alcançá-las? Antes de destacar os principais passos, é preciso realizar um exercício auto-reflexivo, em que a pessoa tenha consciência do próprio eu.

Abaixo, listo 5 passos que podem ajudar a refletir sobre a sua maturidade emocional e auxiliar em sua busca para alcançá-la.

1. Se conheça

Busque o autoconhecimento. Entenda quem você é em sua essência. O que te dá prazer? O que te frustra? Sentimentos fazem parte do ser humano e reconhecê-los é o primeiro passo para se ter maturidade emocional. Ao identificar quais emoções são ativadas em determinados momentos e situações de sua vida, você se conhece melhor e pode determinar como elas podem vir a influenciar ou afetar suas ações futuras. Uma dica interessante é começar um diário de emoções. Anote todo final de dia os seus sentimentos pelo dia, associe as sensações com os acontecimentos e passe a compreender melhor você mesmo.

2. Pratique a atenção

Antes de agir, pare e pense. Para isso, paciência é uma virtude. Cultivá-la está inteiramente ligada ao tanto que somos capazes de dar atenção a determinadas situações. Mas nem sempre é fácil focar em algo por muito tempo ou até mesmo ter paciência. Nesse caso, técnicas de meditação são uma boa dica para começar a praticar a atenção plena.

3. Reconheça os seus erros e vitórias

Outro importante ponto é saber reconhecer não apenas seus erros, como também as suas vitórias. Quanto aos erros, é importante assumir responsabilidade por eles, é compreender que situações difíceis acontecem. Não apenas isso, é parar de culpabilizar terceiros por erros próprios e procurar o aprendizado que eles trazem.

Porém, além dos erros, reconhecer vitórias é também uma forma de autoconhecimento e de praticar gratidão. É compreender o lado bom do esforço físico e mental dado às atividades que geraram impactos positivos. É cultivar e nutrir a própria autoestima e auto-respeito.

4. Pratique empatia

Para além da compreensão das próprias emoções, alcançar a maturidade emocional é também praticar empatia. Não apenas se colocar no lugar do outro, como também compreender que as emoções que cada um têm são legítimas. É entender que cada ação advém de uma reação, seja ela positiva ou negativa.

5. Reclame menos

Por fim, procure reclamar menos. A reclamação está sempre muito associada em não reconhecer nossos erros, em remoer o passado ou procurar problemas no futuro. Concentre no presente e busque a plenitude de aceitar que nem sempre somos capazes de mudar o que queremos.

Os benefícios da maturidade emocional

Pessoas que são inteligentes emocionalmente são mais preparadas para lidar com situações de estresse e pressões diárias. São emocionalmente preparados para lidar tanto com as próprias reações como com as dos outros com quem se convive diariamente. Afinal, emoções não deixarão de existir, o importante é saber conviver com elas.

***

Marie Miguel Biography

Marie Miguel has been a writing and research expert for nearly a decade, covering a variety of health- related topics. Currently, she is contributing to the expansion and growth of a free online mental health resource with BetterHelp.com. With an interest and dedication to addressing stigmas associated with mental health, she continues to specifically target subjects related to anxiety and depression.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

  1. Maturidade emocional, sim, beleza; mas sem matar a criança que existe em você, aquela que você foi um dia, sem as preocupações de hoje. Emocionalmente maduro às vezes pesa e cansa, é preciso voltar para aprender de novo a ser pequeno e simples, sendo feliz sem se dar conta disso, sorrindo apenas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here