Pelo seus estudos sobre o genoma humano, duas mulheres conquistaram pela primeira vez na história o prêmio Nobel de Química.

As bioquímicas premiadas se chamam Emmanuelle Charpentier e Jennifer A. Doudna e receberam o prêmio máximo de reconhecimento mundial nesta quarta-feira, dia 7

“Emmanuelle Charpentier e Jennifer A. Doudna descobriram uma das principais ferramentas da tecnologia genética: a tesoura genética CRISPR/Cas9”, declarou a Real Academia Sueca de Ciências, para anunciar o prêmio de 10 milhões de coroas suecas, o equivalente a US$ 1,1 milhão na cotação atual.

“Essa tecnologia teve um impacto revolucionário na vida das ciências; está contribuindo com novas terapias para o câncer e pode tornar realidade o sonho de curar doenças hereditárias”, explica o comunicado da entidade.

Charpentier é frances e Doudna norte-americana. Elas se tornaram a sexta e a sétima mulheres a vencerem um Nobel de Química, mas pela primeira vez na história sendo duas premiadas ao mesmo tempo. Elas se juntam ao seleto grupo que conta com nomes como a primeira vencedora Marie Curie, que venceu em 1911, e mais recentemente Frances Arnold, no ano passado.

A pandemia mundial reformulou o Nobel deste ano, com a premiação sendo totalmente feita online.

Com informações Huffpost
Foto: REUTERS/ELOY ALONSO

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here