Cientistas da Universidade de Portsmouth, na Inglaterra, conseguiram criar uma “superenzima” que se alimenta de garrafas plásticas, ou seja, pode fazer uma imensa diferença no meio ambiente.

Elas foram desenvolvidas e produzidas a partir de uma bactéria conhecida como Ideonella Sakaiensis.

A superenzima pode vir a ganhar implicações importantes para a reciclagem de tereftalato de polietileno, PET como conhecemos, que é o termoplástico mais comum principalmente usado em garrafas de bebidas descartáveis, mas também está em tapetes e até roupas.

O estudo já foi publicado na última segunda, 28, na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

“Na verdade, ficamos muito surpresos com o fato de ter funcionado tão bem”, disse John McGeehan, co-autor principal da pesquisa, embora tenha relembrado que o processo “ainda é muito lento” de forma que seja comercialmente viável – mas não deixa de ser um tremendo avanço.

Os pesquisadores também acrescentaram que além da garrafas PET, a tal superenzima também consegue atuar no furanoato de polietileno, um bioplástico à base de açúcar, comum em alguns tipos de garrafas de cerveja.

O McGeehan também disse à publicação norte-americana que o estudo conseguiu financiamento para mais testes serem feitos.

Com informações CNN
Foto: UP

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here