Será que finalmente alcançamos a cura da AIDS? Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo apresentam inédito e eficiente tratamento no combate ao vírus HIV.

A UNIFESP revelou recentemente que o seu tratamento já está há 17 meses com o vírus eliminado no corpo de um paciente, ou seja, há quase 1 ano e meio sem o vírus ser detectado no organismo do paciente que não teve o nome divulgado. Os cientistas brasileiros evitam falar em cura, mas estão mais do que animados com a descoberta.

O paciente descobriu que estava com HIV há 8 anos. Mesmo sem tomar o coquetel de remédios nesse tempo todo, o rapaz permanece sem os sinais do vírus no seu corpo.

Ele mostrou à CNN o resultado do teste realizado agora em 2020, que mostra “não reagente para HIV”. “Eu me sinto livre”, disse ele.

“Aqueles anticorpos que a gente usa pra falar se a pessoa tem infecção pelo HIV, ou não, eles estão diminuindo de forma progressiva [neste paciente], que é uma evidencia de que o vírus pode não estar mais ali”, declarou o infectologista Ricardo Sobhie Diaz, que coordena os trabalhos na universidade paulista e estuda o HIV desde a década de 80.

Para diminuir a replicação do HIV, os cientistas brasileiros criaram uma vacina produzida e feita a partir do DNA do próprio paciente.

O tratamento da Unifesp usa essa vacina mais uma combinação de remédios.

“A gente intensificou o tratamento. Usamos três substâncias no estudo, além de criar uma vacina”, confessou Sobhie Diaz.

“Existe a possibilidade de o vírus voltar nessa pessoa, por isso o monitoramento dele vai ser de forma definitiva e muito próxima, porque no momento em que o vírus voltar, a gente tem que tratar de forma pronta”, acrescentou.

Ricardo Sobhie Diaz afirma que os estudos vão continuar e que a próxima fase deve contar vai aumentar o número de voluntários, incluindo mulheres.

Atualmente, a pesquisa está paralisada por causa da pandemia que estamos passando.

Segundo a Unaids, programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV identificou, até dezembro de 2018, que havia cerca de 37,9 milhões de pessoas em todo o mundo soropositivas.

79% foram diagnosticas e sabiam que tinham AIDS, mas 8,1 milhões de pessoas ainda não tinham conhecimento de que estavam vivendo como vírus.

Ainda de acordo com a Unaids, 32 milhões de pessoas em todo o mundo já morreram por conta de HIV.

Felizmente, desde 2010 a mortalidade relacionada à Aids caiu em 33% no planeta, depois que as pessoas tiveram mais acesso ao tratamento antirretroviral. No Brasil, o tratamento é oferecido gratuitamente pelo SUS.

Com informações CNN e CorreioBraziliense
Imagem de capa: Ricardo Sobhie Diaz – Foto: Divulgação/Unifesp

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here