As pessoas que conseguiram abandonar vícios estão sempre sujeitas a recaídas. É assim com substâncias tóxicas, é assim também com sentimentos. Ninguém está livre de voltar aos mesmos erros, simplesmente porque somos humanos e, portanto, falíveis. A dependência química é, por isso mesmo, em muitos aspectos, semelhante à dependência emocional.

Na verdade, a questão é o costume, porque a gente se acostuma a muitas coisas que não deveríamos. O ser humano tem uma incrível capacidade de se adaptar às mais variadas situações e isso inclui até mesmo a adaptação àquilo que dói. Infelizmente, nós somos capazes de nos acostumarmos ao que não é bom, ao que sufoca e machuca. E a isso teremos que olhar com mais força, para que possamos tomar a atitude certa.

Quando se trata de relacionamentos, fica ainda mais complexa a situação, uma vez que há sentimentos envolvidos e sentimentos costumam nos trair, confundindo o que sentimos, forçando-nos, muitas vezes, a relevar o que deveria ser repudiado. A gente quer dar certo na vida e no amor e isso faz com que, muitas vezes, a gente insista naquilo que não tem mais jeito, em quem nunca será capaz de tentar mudar.

Eis o que ocorre, por exemplo, nos relacionamentos abusivos, quando o parceiro persuade o outro a acreditar que merece aquilo que lhe está sendo oferecido. A pressão psicológica e as tramas que o parceiro encena acabam convencendo a vítima de que ela é amada, de que ela é errada, de que ela é louca. E ali ela fica presa, convencida de que ela provoca aquilo tudo.

Toda e qualquer dependência traz dor e perdas, traz tristeza e sofrimento. Libertar-se é muito difícil e, quando finalmente a gente se liberta, a vulnerabilidade ainda fica um pouco aqui dentro. As pessoas manipuladoras têm um poder de persuasão tão grande, que, mesmo de longe, quem se libertou ainda carrega, muitas vezes, a esperança de que o ex possa mudar um dia. E, se tenta dar uma nova chance, se há recaída, a queda será ainda mais dolorosa.

Temos que tentar não voltar ao que foi ruim e doeu. Se não soube te valorizar na primeira vez, se não soube te amar como você merecia, se não enxergava a sua dor, dificilmente conseguirá mudar. Recaídas são as piores quedas que existem.

***
Photo

Texto originalmente publicado em Prof Marcel Camargo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


LIVRO NOVO




Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here