Nós mulheres saímos da cozinha e fomos para o ringue da vida. Fico estarrecida com tanta autoafirmação que leio atualmente, e me pergunto até que ponto a gente ataca para se defender.

As redes sociais são vitrines do orgulho de dar conta. Dar conta da casa, dos filhos. Do trabalho, da academia. Do tempo que se encontra para o happy hour com a make e o decote perfeitos. Dar conta da vida, de conquistar um espaço que era do outro, apenas do outro. Dar conta de ser linda, atlética, resistente, a que inverga-mas-não-quebra. Dar conta das contas, da dieta, do tempo, da saúde, dos problemas que evitamos falar. Nunca a imagem de guerreira foi tão pregada.

Até bem pouco tempo atrás, homem não chorava. Hoje em dia, mulher não chora. Chorar é para os fracos, e estrogênios são fortes. Implacavelmente fortes.

Há uma enxurrada diária de legendas, de frases de efeitos, muitas vezes tentativas de camuflar uma dor latente, aquelas que camadas de maquiagem, litros de silicone, centímetros a menos na roupa regados a doses cavalares de bebidas fortes camuflam disfarçam [quase sempre muito] bem.

Mas sabe? Não estar todo-santo-dia bem não é fraqueza. Não ter o corpão padrão da gostosa do IG bombado não é desleixo. Ficar off de vez em quando não é fragilidade. Essa apologia à autossuficiência soa solidão porque bem sabemos, ninguém é autossuficiente. Não o tempo todo.

Eu já vi guerreiro chorar. Já vi guerreiro assustado, preocupado, com medo. Eu já vi guerreiro pedir colo, se afastar para gritar de desespero. Já vi guerreiro pedir conselho, já vi guerreiro ter dúvidas. Sim, guerreiros se prostram, se arrependem. Guerreiros se cansam, mudam a rota. Guerreiras também. Não ser perfeita é humano, vê se não perde isso! É o que você tem de mais bonito. E de libertador.

***

Photo by Elias de Carvalho from Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Ludmila Clio
Ludmila Clio nasceu em Cachoeiro de Itapemirim/ES, em 22 de Março de 1981. Começou a escrever para sua gaveta, como a maioria dos escritores, mas furtivamente, mostrando seus escritos para amigos e professores, foi encorajada a romper com a gaveta e publicar-se. O estopim se deu em 2004, quando venceu pela primeira vez um concurso nacional de poesias, realizado no Paraná. Graduada em História e autora de 02 livros de poesia, está prestes a lançar seu primeiro livro em prosa. Mora atualmente em Campinas/SP com sua filha adolescente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here