Graças a essa mulher e seus esforços, milhares de meninas foram salvas de uma experiência abominável. Essa guerreira merece ser aplaudida de pé.

Inspirada pela inesquecível Madre Teresa de Calcutá, Anuradha Koirala sempre soube que seu destino era ajudar a maior quantidade possível de pessoas que ela pudesse. Koirala tornou-se professora de educação para crianças pequenas em Kathmandu, Nepal.

Após vinte anos atuando na profissão, ela decidiu aceitar uma missão de vida mais complexa e perigosa: proteger mulheres e meninas de abuso, tráfico e exploração.

Koirala tinha identificação com a dor dessas meninas e jovens desde que sofreu abuso psicológico no seu antigo casamento. A partir daí, ela então começou a educar as mulheres sobre a violência de gênero e a importância do empoderamento delas. Ela ajudou as mulheres a serem independentes e que de fato, poderiam parar de mendigar nas ruas nessa relação da qual apenas o homem é provedor, poe exemplo. No início, o movimento teve apenas oito mulheres que aceitaram a sua ajuda. Koirala deu dinheiro para a cada uma delas iniciar suas próprias barracas de rua e obter o seu próprio sustento.

Graças às mulheres que deram uma pequena parte de seus ganhos, Koirala depois conseguiu proporcionar segurança e oportunidades econômicas a outras mulheres sem condições.

Foi daí que ela fundou a organização sem fins lucrativos chamada Maiti Nepal, 1993. Através dela, Koirala obteve suporte para ajudar mulheres e meninas nos últimos 26 anos. Seu foco principal é resgatar e impedir que mulheres e meninas do Nepal e da Índia sejam sequestradas para o tráfico de pessoas.

“São regiões pobres com altas taxas de analfabetismo. Se um membro da família ou amigo aparece e está oferecendo um emprego, geralmente são os pais das meninas que as incentivam a ir, sem perceber o que realmente está acontecendo”, disse ela ao jornal The Guardian. “É o lugar perfeito para os traficantes.”

Hoje, Kiorala está com 70 anos e é chamada carinhosamente de’Madre Teresa do Nepal’, pois continua a combater o tráfico por meio da sua ONG, que constantemente realiza várias campanhas de empoderamento feminino, além treinamento físico em programas de autodefesa e conscientização.

Graças à sua colaboração com os governos da Índia e do Nepal, Koirala já conseguiu resgatar mais de 18.000 mulheres. Mulheres quem ela ajuda a superar essas experiências traumáticas e abomináveis, fornecendo serviços médicos, principalmente, já que muitas das jovens resgatadas contraíram o HIV.

“Imagine o que aconteceria se sua filha estivesse lá, o que você faria? Como você lutaria? Você tem que levar cada garota como sua filha ”, disse ela em um vídeo exibido durante o programa CNN Heroes exibido em 2010.

“Quero uma sociedade livre de tráfico de pessoas. Espero conseguir fazê-lo um dia – acrescentou, enquanto as lágrimas escorriam de seus olhos.

Koirala é um exemplo do significa o feminismo, e junto disso, do que significa fazer a diferença e não ser mais ua pessoa apenas vivendo no mundo.

Com informações Nation

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here