Eu só sei que às vezes acordo com uma dor tão insuportável dentro de mim que a minha vontade era de simplesmente sumir. Mas não sumir pra fugir, é só que o cansaço da dor é tanto que talvez se eu desaparecesse, tudo que vem junto dessa dor fosse embora também.

Ansiedade, depressão, nada disso é fácil de lidar. Muitos pensam que é, mas não fazem a mínima ideia do constante peso de estar carregando o mundo nas costas ou de estar com os pensamentos sempre acelerados que de tão rápidos você fica sem fôlego, sem inspiração, sem energia. Daí é quando a bateria parece que vai acabar. É quando você enxerga o mundo todo ao seu redor ruir e você paralisa só de pensar em ter que fazer algo, qualquer coisa possível para que nada disso ocorra.

E essa pressão constante é exaustiva. Fico com o corpo travado na cama, fazendo um esforço danado apenas pra sorri da piada mais sem graça de um filme que esteja passando, onde no fundo, no fundo mesmo, eu fico com a sensação de estar apagando aos poucos. As crises e a dependência dos remédios deprimem, você se sente refém dentro de uma cela sem janelas e cores. Sim, é horrível, péssimo e todos os outros sinônimos negativos que você possa imaginar.

Ainda assim, exatamente quando dias como estes chegam que é importante ter espaço, ter tempo, ter paciência consigo. Porque a confusão, a dor, os olhos perdidos, nenhuma das consequências descritas são minha culpa. Ou sua. Ninguém tem culpa.

Infelizmente, vivemos uma vida de afetos empurrados ou reprimidos pelo medo, pela cobrança insistente e desleal das relações líquidas e do mundo desajeitado e emocionalmente indisponível para solidariedade em muitas ocasiões.

Conviver com a ansiedade e a depressão ou conhecer alguém que precisa enfrentar isso diariamente requer intensidade, generosidade e simpatia. Eu tento lidar com isso do jeito que posso, mas é natural que certas vezes canse, desgaste e me autossabote.

Eu não desisto e também não sei quantas vezes vou precisar superar todo esse sentimento de impotência, mas saber que não estou só faz uma infinita diferença no meu mundo. Então, estenda a mão. Mantenha o coração receptivo. Alguém pode estar querendo conversar. Seja gentileza.

Imagem de capa: Alan Retratos/Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here