Numa linguagem mais acessível, essa fábrica seriam submarinos cheios de água do mar que removem o sal e, por cerca de um mês, esfriam a água através de turbinas. É assim que os blocos de gelo de 25 metros de largura, de formato hexagonal, ficariam prontos para formar mais icebergs. A ideia é sensacional!

Na luta contra o aquecimento global, diversos cientistas vem trabalhando para subtrair esses efeitos alarmantes.

Recentemente, arquitetos indonésios projetaram uma fábrica de icebergs. Seria um tremendo avanço esse grande problema.

Em termos práticos, é uma máquina subaquática que tem a capacidade de criar gelo.

Ela congelaria a água do mar para a criação de novos icebergs, substituindo os que derreteram em um trabalho muito semelhante ao reflorestamento, por exemplo.

Através deste vídeo bastante explicativo, a empresa Dezeen explicou o funcionamento da invenção, chamada “Recongelling the Arctic”.

Ela começa demarcando as áreas afetadas e a quantidade do derretimento dos icebergs no local.

“O reflorestamento em áreas tropicais e subtropicais tem o mesmo papel que o congelamento de calotas polares”.

“A elevação do nível do mar devido ao derretimento do gelo não deve ser respondida apenas com soluções defensivas, como o design de cidades flutuantes ou a construção de paredes gigantes… Soluções ofensivas são uma maneira de evitá-lo, especificamente congelando novamente a água do mar que derreteu. Em seguida, reconfigure novos campos de gelo para equilibrar o ecossistema polar”, explica o vídeo.

Dessa forma, o tal submarino funcionaria mais ou menos assim:

Flutuando e mergulhando para iniciar o processo:

https://giphy.com/gifs/lqNClzHGNKbeIS9n68

Mais tarde surge e, com o iceberg já criado, lança-o na água para repetir o processo:

https://giphy.com/gifs/LmewHHmGPZzzoed0K8

Com a repetição, grandes campos de gelo seriam criados, concluindo com êxito o processo:

https://giphy.com/gifs/Y2h5LGp1OROlgHZaYp

Tecnicamente, o processo não é muito complexo e a olho nu (como visto nos gifs o submarino é submerge para se encher com água do mar, depois retorna à superfície e, através de uma osmose reversa, filtra o sal da água, para acelerar o processo. O sal retorna então ao mar, deixando água fresca dentro, em moldes hexagonais, cercados por turbinas que lançam ar frio.

Após cerca de um mês, o submarino o iceberg ficaria pronto, afundando na água para deixar seu “bebê gelo” flutuar. Com isso concluído, o submarino pode iniciar o processo todo novamente.

Se essa tecnologia for de fato levada adiante pode ser uma ótima saída em tempos difíceis em termos climáticos.

Com informações UPSOCL

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui