De acordo com especialistas, a causa é um distúrbio de aprendizado emocional ou e pode até ser uma lesão cerebral. Algumas pessoas podem sofrer disso e sequer saberem. E agora?

Pelo menos foi o que aconteceu com um jovem chamado Luis, segundo a EFE, com a diferença de que sua família se preocupava em encontrar respostas para essa condição. Sua namorada o deixou depois que o relacionamento “se esgotou” depois de alguns meses, porque ela não percebeu que ele não era capaz de transmitir sentimento algum por ela.

Dada a situação, a família do menino decidiu levá-lo a um psicólogo para entender um pouco melhor as razões do abandono, parecia muito raro observar um sofrimento em Luis, mesmo após o rompimento do relacionamento.

“Os alexitímicos não sabem como rotular o que estão sentindo. Eles geralmente estão com o parceiro porque jogam, observam e seguem as regras, fazem o mesmo que o ambiente. Se eles sentem atração e fazem sexo, mas não expressam mais nada. Quando os abandonam, tudo o que podem dizer é que eles se sentem mal”, disse Julia Vidal (diretora do Centro de Pesquisa Psicológica Humana).

Não é que eles não tenham emoções, mas têm imensas dificuldade em desenvolvê-las. Basicamente, eles não conseguem externalizá-las.

“O perfil do alexitímico responde a uma pessoa distante e rígida, sem senso de humor, introspectivo e chato, sem imaginação. Eles precisam de aceitação social, são obedientes aos seus superiores, interagem com seus pares, têm um comportamento social correto, mas não terão uma conversa pessoal porque não têm empatia, não sabem identificar as emoções dos outros”, afirmou o mesmo especialista à EFE. .

Pixabay

Isso também é classificado por graus, e os níveis mais desenvolvidos podem levar a patologias como autismo ou Asperger. Normalmente, temos os sentimentos no lobo temporal direito e os expressamos no hemisfério esquerdo, o problema surge na conexão desses circuitos em lados opostos.

O primeiro passo é tentar entender a condição e depois disso, através do tratamento, é possível identificar as emoções ausentes e procurar formas de compartilhá-las. Todo esse aprendizado é alcançado por meio de oficinas de inteligência emocional e treinamento de habilidades sociais.

Luis cumpriu o processo e alcançou resultados positivos. Ele conseguiu retomar seu relacionamento e agora vive a experiência de ser pai. Um problema real, que talvez mais do que algum conhecido (ou ex) da sua vida tenha sofrido e você nem sabia.

Com informações EFE

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here