Na infância, infelizmente ainda comum aprendermos que existe brinquedo de menino e de menina, mesmo quando estamos entrando em 2020. Por exemplo, os meninos não podem brincar de boneca, assim como as meninas não podem brincar de carrinho.

É como se o tipo de brinquedo determinasse qual será a sexualidade da criança. Assunto delicado pra muita gente, mas uma coisa deveria ser consenso: ninguém tem o direito de interferir nessa parte da educação dos pais e filhos. Não é justo com ninguém, principalmente com as crianças.

É por causa disso que alguns pais estão fazendo diferente, como é o caso do professor Arthur William, que postou uma foto no Facebook no início do ano do filho Ernesto, de 2 anos, com o seu mais novo brinquedo: uma cozinha rosa.

“Compramos uma cozinha de brinquedo para que nosso filho aprenda desde cedo que não tem essa de “coisa de menina”. Cores, tarefas e locais não determinam sexualidade de ninguém”, escreveu o professor na postagem, que teve mais de 20 mil curtidas e 3 mil compartilhamentos.

“As crianças devem crescer seguras de si. A privação de determinado brinquedo é um preconceito gigante que só traz infelicidade à criança. Não existe brinquedo de menino e de menina. Os brinquedos ajudam na formação dos adultos e por isso é importante entender que cozinhar é uma tarefa comum a qualquer pessoa, seja homem ou mulher”, disse Arthur em entrevista para o site O GLOBO.

“Hoje sou um adulto que ainda tem dificuldade de dividir as tarefas domésticas com minha esposa, como limpar a casa e preparar a comida. Quero que meu filho seja melhor do que eu, por isso invisto em sua Educação”, finalizou.

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui