Graças a uma técnica inédita, uma paciente que estava com um câncer de pulmão não precisou sequer fazer quimioterapia. A equipe médica do Hospital Estadual – HE – de Bauru realizou a cirurgia para retirada do tumor pela chamada lobectomia pulmonar, tudo registrado através de um videocirurgia.

O procedimento, menos invasivo, é indicado para tratamento definitivo da doença, quando ainda está em estágio inicial.

A paciente, uma moradora de Bauru e de 65 anos, foi operada no último dia 7 de novembro e já recebeu alta, mas o caso só foi divulgado para a imprensa na semana passada, no dia 12 de dezembro.

Segundo o professor doutor Tales Rubens de Nadai, um dos médicos cirurgiões do HE e também um dos responsáveis pela cirurgia, a paciente não precisou da quimio ou da radioterapia. Ela apresentou uma evolução satisfatória e segue em atendimento ambulatorial oncológico do hospital.

O procedimento durou cerca de duas horas e foi no centro-cirúrgico do HE, unidade de saúde sob gestão da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar – a FAMESP.

Além de Nadai, participaram do procedimento o médico cirurgião André Amate Neto, a instrumentadora Karla Danieli Genaro Aguado, o anestesista Fernando H. M. de Carvalho Zylberstejn e o residente de cirurgia César Saul Quevedo Penaloza.

César Penaloza, Fernando Zylberstejn, André Amate, Tales de Nadai, Karla Aguado e Daniele Lourenço Foto: ACI-Famesp/Divulgação

Na técnica de videocirurgia ou videotoracoscopia, o cirurgião faz uso de microcâmeras para visualização do órgão que vai passar pelo procedimento.

O procedimento, como informado anteriormente, é minimamente invasivo, e traz vantagens para o paciente como uma recuperação mais rápida e menos dolorosa, além de menor tempo de internação para cuidados pós-operatórios.

A cicatriz também é menor quando ao comparada ao procedimento tradicional, que requer uma abertura maior da cavidade torácica.

“A indicação deste procedimento é para câncer de pulmão em estágios iniciais: 1 e 2. O padrão ouro do tratamento estabelece que, se for do lado direito, é retirado um terço do órgão e, se for do lado esquerdo, metade do órgão”, explica Nadai.

A equipe treinada para fazer este tipo de procedimento começou a atuar no HE no mês passado e a expectativa é de que outras cirurgias iguais a esta sejam realizadas dentro hospital nos próximos meses. Parabéns para os médicos brasileiros.

Com informações do JCNet

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO



Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui