Parece que finalmente foi encontrada um fio de esperança para quem batalha contra o alcoolismo. Cientistas da University College, de Londres, anunciaram ter conseguido frear a dependência em bebidas alcoólicas com pequenas doses contidas em um tranquilizante animal, feitos à base de ketamina ou cetamina.

O tratamento (ainda) experimental foi feito com 90 pessoas e os cientistas conseguiram “enganar” o cérebro dos participantes, que consumiam regularmente 30 litros de cerveja por semana – cerca de 6 latas por dia.

Uma única dose da substância se mostrou bastante eficiente, já que o consumo de álcool foi reduzido em 50% e os cientistas conseguiram manter essas pessoas longe da bebida por aproximadamente 9 meses. O estudo foi publicado na Nature Communications.

O estudo começou da seguinte forma: no primeiro dia, os voluntários foram apresentados a um copo de cerveja como recompensa por executar diversas tarefas. Já no segundo dia, os médicos fizeram a mesma coisa, mas se recusaram a dar a cerveja no final. Em vez disso, injetaram uma dose segura de ketamina nos voluntários.

A ketamina, usada como tranquilizante para cavalos, é empregada amplamente como anestésico em hospitais.

De acordo com Ravi Dias, líder do estudo, a ketamina, de alguma forma, inibe esse processo de dependência e faz com que o indivíduo permaneça por algum tempo sem a vontade de beber.

“O aprendizado é o motivo pelo qual as pessoas se viciam em drogas ou álcool. Essencialmente, a droga sequestra o sistema de aprendizado por recompensas embutido no cérebro, para que você acabe associando ‘gatilhos’ à droga. Isso produz o vício”, explicou o médico.

O autor sênior do estudo, Professor Sunjeev Kamboj, da Unidade de Psicofarmacologia Clínica da UCL explica que “A cetamina é uma droga segura e comum que está sendo explorada para vários usos psiquiátricos, incluindo depressão, enquanto outros pesquisadores também estão explorando outras maneiras pelas quais isso pode ajudar no problema de beber.

“Uma vantagem do nosso estudo, juntamente com o efeito pronunciado e de longo prazo sobre o consumo de álcool, é que ele se baseia em um forte entendimento de como a droga está trabalhando no cérebro para alcançar seu efeito.”, completou o professor.

O estudo envolveu pesquisadores da UCL, UCLH e Universidade de Amsterdã, e foi apoiado pelo Conselho de Pesquisa Médica.

É importante lembrar que a descoberta é ainda um experimento científico e os cientistas de modo algum aconselham as pessoas o consumo da droga como tentativa de frear o alcoolismo, já que ainda são fases de testes e ainda podem existir consequências sérias para quem tentar. É importante lembrar que voluntários nesses tipos de experimentos passam por uma bateria de exames antes de serem aceitos como ideias para estudos científicos.

Com informações do Telegraph

Imagem de capa: Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here