A chuva cai mansa sobre o fim da tarde de domingo. Vem como refresco após um dia cuja temperatura passou dos 30 graus. Enquanto a brisa úmida entra pela casa, gostosa como abraço, repenso a vida que durante a semana me trouxe uma desagradável notícia: um colega de escola com quem estudei por toda infância e adolescência se foi aos 37 anos. Moço, bonito, alegre e pai de três filhos. A última vez que nos vimos foi por acaso, mas não impediu de pararmos para uma prosa. Entre os assuntos, falamos sobre a morte e a dificuldade de superá-la. Nenhum de nós dois imaginaria que ela viria buscá-lo em menos de um ano.

Conforme amadureço e me torno ciente do espaço que ocupo neste mundo como ser humano e mulher, concluo cada vez mais sobre a importância de se viver uma vida com sentido. Afinal, não sabemos muita coisa sobre além da morte. Temos crenças e poucas certezas.

Trabalhamos enlouquecidamente para termos coisas e, nem sempre, experiências. Mantemos, por mera preocupação social, cargos e estados civis que não nos trazem paz de espírito. Seguimos a manada da qual fazemos parte, mas não levaremos para o nosso túmulo nenhum dos comportamentos sociais que incorporamos. Quando partirmos, ficará o que fomos, em essência. Meu colega será lembrado pelo sorriso e cordialidade com que sempre nos tratou desde menino, a mãe que partiu será lembrada pelo bolo de fubá que fazia aos domingos, a avó pela forma afetuosa que nos recebia e o vizinho pela forma que dizia bom-dia! Seremos lembranças dos nossos comportamentos e, nossa alma, repositório de nossos aprendizados.

O que temos feito com as nossas experiências? De que forma, as decepções da vida me ensinaram a crescer? Como recebo as alegrias do caminho? De que forma agradeço e desejo? Como sonho e busco?

Desejo – e assim é, cada dia mais – me sentir em paz nas relações e nos lugares em que me encontro. Viver precisa ser uma experiência de sentidos e valores! Desfazer-se das tintas com as quais nos pintaram, enxergar nossa cor original, saber que além de todas as perguntas clichês que a família e a sociedade nos faz – há um eu que precisa de encontro e reconhecimento.

Que um dia, quando eu partir, que a minha alma carregue os aprendizados – frutos de experiências nem sempre boas – mas necessárias para a minha evolução. Carreguemos a leveza e a digna necessidade de sermos feliz ao nosso modo particular… Aquele que faz sentido ao nosso coração e não ao mundo! Afinal, nossa caminhada será sempre feita de despedidas e o nosso dia de partir também chegará. Não há fatalismo e nem tragédia nisso, mas cada vez que alguém que conheço parte, o meu senso de responsabilidade em relação às minhas escolhas se fortalece.

Se você morresse hoje, se orgulharia da sua história?

Foto de Guilherme Veloso no Unsplash

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


LIVRO NOVO




Cristiane Mendonça
Jornalista, mineira e amante de uma boa prosa! Trabalha há dez anos com produção de conteúdo para mídias digitais e sempre que o coração pede se dedica ao "Crônicas Irônicas", um blog que aborda amor, humor, comportamento, biografia de personagens famosos, além de dicas de livros e filmes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here