Muita emoção e gratidão na voz do aposentado João Carlos dos Santos quando leu a faixa “Bem-Vindos!” escrita na numa das entradas que davam acesso à 65ª Feira do Livro de Porto Alegre, na Praça da Alfândega. O Seu João foi à convite do Programa de Alfabetização de Adultos do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), do qual faz parte há cerca de um ano.

O simpático e feliz aposentado nunca tinha aprendido a ler e precisou desistir dos estudos ainda criança para ajudar a mãe com o sustento da família – realidade tristemente presente na vida de muitos brasileiros

“Sempre me incomodou o fato de eu não saber ler o nome da linha do ônibus que eu pegava para ir ao trabalho. Me sentia um cego”, contou para a GauchaZH.

Porém, a oportunidade de voltar a estudar finalmente foi possível quando comentou, de forma despretensiosa com um cliente do estacionamento do Mercado Público (local onde ele trabalha cuidando de carros), o grande sonho de aprender a ler. Seu João então foi incentivado a procurar as aulas gratuitas do CIEE. Deu tudo certo na sua inscrição, com ele ganhando cadernos, caneta e lápis do cliente que o apoiou.

Seu João ainda deixa escorrer algumas lágrimas ao lembrar da primeira palavra que conseguiu ler sozinho: MÃE. Inês, a sua falecida mãe há cinquenta anos, logo reviveu na sua memória. Entre as descobertas, aprendeu que as letras y e w também fazem parte do alfabeto, além de agora ler orgulhoso palavras como “Leopoldina”, o nome da linha de ônibus que pega no bairro onde mora.

“Sabe uma descarga de alta-tensão? Nunca tomei um choque, mas acho que foi isso que senti quando comecei a ler. Ainda fico deslumbrado com cada palavra”, relembrou.

Durante a Feira do Livro, os funcionários do próprio CIEE doaram aproximadamente 400 obras, que puderam ser escolhidas pelos estudantes. Seu João ficou animado, procurou em cada caixa e escolheu logo uma história em quadrinhos: “Este vai comigo! Adoro a Turma da Mônica”, disse sorridente.

Seu João ainda escolheu um livro de contos do consagrado escritor brasileiro Machado de Assis e um de sonetos, do poeta português Luis de Camões. Sobre a escolha, confessou que tinha enorme curiosidade em ler as obras já que conhecia os seus nomes de ouvi-los.

“Vocês vão me matar do coração. Não sei se mereço tanto. Que presente!”, repetia o aposentado às professoras do CIEE.

Ca livro na feira tinha um valor simbólico entre R$ 1 e R$ 10. Seu João também a pegar e pensar em levar uma obra que tratava sobre a Revolução Russa, mas achou que poderia ser um tanto quanto difícil o conteúdo para quem está começando a conhecer o que é Literatura. Algumas olhadas depois, porém, tratou de escolher Janela da Poesia – Turminha do Peteleco, da escritora Ana Cecília Romeu, feita para ler, colorir e até desenhar e criar textos. Ele logo lembrou que usaria esse junto dos netos.

Empolgado, o aposentado fez questão de ler em voz alta o primeiro parágrafo: “Peteleco brinca com seus amigos todos os sábados no parque do bairro onde mora. Hoje está um dia ensolarado e quente. Duas amigas, a Carminda e a Bonequinha, chegam para se divertir junto com ele”. Seu João garantiu que devoraria os livros e celebrou como se fosse um Natal adiantado.

 

Com informações de GaúchaZH
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here