Há mais de três anos, um casal resgatou um cachorro que estava do lado da estrada perto da floresta no Rio de Janeiro. O cão chamado Mabel era idoso e, embora o casal já tivesse seis cães, eles acreditavam que um mais não afetaria nada.

Para sua surpresa, Mabel estava grávida e chamamos de muito grávida, porque ela deu à luz sete filhotes. Rapidamente o casal percebeu que eles tinham dobrado o número de cães em apenas um dia e sem querer.

Felizmente, eles conseguiram encontrar um lar para quatro dos seis filhotes e ficaram com dois. Desde então, o resgate de animais e o ativismo pelos direitos dos animais se tornaram uma parte importante de suas vidas. Seu rebanho cresceu para 23 cães que eles resgataram, e ainda encorajaram a adoção de outras dezenas.

Também nos últimos anos, o casal adquiriu uma nova abordagem: trabalhar com moradores de rua que vivem nas ruas com seus animais de estimação. No primeiro caso, é uma situação desoladora e deprimente, porque muitos supõem que animais que vivem nas ruas com pessoas desabrigadas são maltratados.

Mas a verdade é o oposto. A ligação que é formada entre os sem-teto e seus animais de estimação é muitas vezes forte, profunda e muito estável. A necessidade mútua e o resultado de intensa devoção fazem com que os animais e os sem-teto desenvolvam uma amizade inspiradora entre si.

É um pouco complicado explicar como isso afeta a visão de uma pessoa faminta e sem-teto receber comida urgentemente necessária e, sem pensar duas vezes, dividi-la instantaneamente em duas para compartilhar com seu cão ou gato faminto.

Quando David Miranda e seu marido perceberam que o trabalho tornou-se mais importante, eles produziram vários documentários curtos, sob a direção da unidade de filmagem criada pela diretora do Oscar e vencedora Laura Poitras.

O primeiro, “Passarinho”, contou a história de um ex-condenado que agora vive nas ruas, vendendo frutas e se dedicando aos cuidados de seus dois cachorros. O outro, “Karollyne”, detalha a história verdadeiramente surpreendente de uma mulher trans que é a matriarca de uma família sem-teto que se refugia em um prédio abandonado e cuida de dezenas de cães, gatos, macacos e outros animais, a maioria deles foram cruelmente deixados por pessoas que levaram seus animais indesejados para a floresta e os abandonaram.

Aproveitando estes exemplos enriquecedores, David e seu marido decidiram criar um novo modelo de cuidado que aproveita o vínculo único e poderoso dos animais sem lar e abandonados. Eles desenvolveram um plano para um novo tipo de refúgio, um único.

A ideia central é que o abrigo de animais funcione como qualquer outro: fornecer resgate, assistência médica, realocação e alimentação, além de uma campanha pública para incentivar adoções e criar um site centralizado para pessoas que perdem animais de estimação e pessoas que encontraram animais de estimação se conectam uns com os outros.

No entanto, seu atributo único é que o abrigo será servido exclusivamente por moradores de rua que vivem nas ruas com seus animais de estimação e, portanto, têm uma afinidade comprovada para cuidar de animais necessitados.

O objetivo é, ao mesmo tempo, capacitar e melhorar a vida de tantas pessoas e animais quanto possível sem um lar. O casal sinceramente espera e acredita no sucesso deste projeto e espera que ele sirva de modelo para inspirar outros abrigos em todo o mundo.

Matéria extraída do site Nation / Imagem de capa: Reprodução

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here