Deixar ir. Apenas duas palavras que são ditas em menos de um segundo, mas cuja prática pode nos levar uma vida inteira. Deixar ir é um dos exercícios mais difíceis que – mais cedo ou mais tarde – teremos que enfrentar. E se não aprendermos a deixar ir por vontade própria, teremos de aprender do jeito mais difícil – a vida cuidará disso – o que implica que seremos expostos a um sofrimento maior.

Preocupados com não desapegar, nos esquecemos de deixar ir

O desejo de segurar as coisas colide frontalmente com uma característica inerente à realidade: a impermanência. Nada permanece estável. Tudo muda. O tempo está tirando posses, relacionamentos, pessoas, status, saúde … É por isso que a reivindicação de reter é absurda e só gera dor.

No entanto, não estamos preparados para liberar. Eles nos ensinaram a valorizar e aguentar. Nós acumulamos objetos, relacionamentos, poder, dinheiro, objetos, propriedades, títulos … Assim, buscamos uma segurança ilusória que pode desmoronar a qualquer momento como um castelo de cartas, mas que nos sentimos como uma fortaleza inexpugnável.

Esse estado mental, no qual não concebemos nada a não ser nos apegarmos, é o principal responsável pela dor profunda que sentimos quando nos separamos de algo ou de alguém. Sri Nisargadatta Maharaj resumiu com maestria: “O rio da vida flui entre as margens da dor e do prazer. Somente quando a mente se recusa a fluir com a vida e fica estagnada nas margens, isso se torna um problema. Fluir significa aceitação, deixar o que está chegando, abrir mão do que acontece.

Claro, nem sempre é fácil deixar ir. Quando há laços emocionais profundos, o soltar dói. Mas vai doer ainda mais se nos agarrarmos ao inescapável, se tivermos a intenção de entender o que flui por sua própria natureza.

Podemos verificar isso com um experimento simples. Segure uma maçã por um segundo com a mão ligeiramente levantada. Não pesa, certo? Deixe cinco minutos passar. Você começará a sentir um leve desconforto. Depois de meia hora, você provavelmente não aguenta mais e essa maçã parece a coisa mais pesada que você já sofreu.

O peso da maçã não mudou. O que aconteceu é que você segurou por muito tempo. Se você tivesse deixado na mesa antes, você não teria um braço dolorido. O mesmo acontece com a gente na vida. Nós nos apegamos a algo que não é mais, a uma memória que pertence ao passado, a um relacionamento irrecuperável, a uma pessoa que não é mais a mesma ou que nem está ao nosso lado, a uma situação que perdeu sua razão de ser. , para um objetivo que desapareceu diante dos nossos olhos …

Como Hermann Hesse disse: “Algumas pessoas pensam que o apego às coisas as torna mais fortes, mas às vezes é preciso mais força para deixar ir do que se segurar”.

Perca o medo de perder

Aprender a deixar ir não significa que não devemos lutar por coisas ou pessoas que acreditamos valer a pena. Lutar pelo que queremos é legal. Mas também devemos ser espertos o suficiente para saber quando chegou a hora de deixar ir, para que nossa vida não se torne uma batalha inútil contra os moinhos de vento.

Em um certo ponto, devemos nos perguntar por que estamos nos apegando insistentemente a algo sem sentido. A causa mais comum é o medo de perder. Se pensarmos que na vida só devemos ganhar e acumular, vamos nos associar liberando com o fracasso.

O medo de perder o conhecido também é um grande obstáculo para deixar ir. Muitas vezes preferimos a certeza da miséria que a miséria da incerteza. Nós nos apegamos a algo ou a alguém com a secreta esperança de que nada mude, mas dessa forma estaremos apenas adiando o inevitável, prejudicando a nós mesmos e prejudicando os outros, tentando agir como um pequeno dique diante da torrente fugidia que é a vida.

Quando nos apegamos “com unhas e dentes” ao familiar e familiar, caminhamos – lenta mas inexoravelmente – para o sofrimento. Porque a vida continua, mas ficamos presos, reproduzindo padrões de comportamento e pensamentos desadaptativos que perpetuam a dor.

Perder o medo de perder é extremamente libertador. Devemos partir camada por camada, liberar o lastro, nos despojar das restrições e das crenças limitantes, abraçar a liberdade que acompanha o aprendizado do fluxo.

Somente quando nos separamos do velho podemos realmente nos abrir para o novo. Somente quando deixamos tudo o que pensamos ser, podemos nos tornar o que queremos ser.

Artigo traduzido e adaptado do site Rincón Psicología
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here