Não importa o quanto você tente, acaba tropeçando no mesmo perfil que as pessoas em seu relacionamento. Aqueles que inundam com desconforto, obsessões e com os quais você acaba formando relacionamentos destrutivos. Você já se perguntou por que você atrai pessoas que não combinam com você? Será azar? Em absoluto. O que acontece com você tem um nome e é conhecido como o círculo vicioso de retraumatização.

Quando repetimos o mesmo padrão de casal, de novo e de novo, algo está acontecendo. Não é que as pessoas venham até nós porque têm, mas nós as escolhemos e as atraímos por algum motivo. Em vez de pará-los, nós os convidamos a entrar em nossas vidas. Há algo nelas que nos atrai, embora mais cedo ou mais tarde a história acabe se repetindo …

O que negligenciamos durante a fase da paixão? Em que erros continuamos a cair quando nos encontramos com uma pessoa? Para encontrar respostas, não apenas temos que observar como nos comportamos de novo e de novo quando nos encontramos com alguém, temos que dar uma olhada na infância. Porque, por alguma razão, estamos repetindo nosso passado e revivendo o que em um momento nos magoou.

A história de Laura e seus relacionamentos destrutivos

Laura é uma jovem que aos 18 anos começou a ter seus primeiros relacionamentos amorosos. Ela tinha baixa auto-estima, então através das redes sociais e bate-papos, ela conseguiu sentir que havia pessoas que podiam percebê-la. Na verdade, ele se apaixonou pelo primeiro garoto que fez isso. Embora no início ele não gostasse fisicamente, ele acreditava que com o tempo isso poderia mudar.

Esse menino traiu Laura. Ela descobriu várias mensagens em seu celular com outras garotas e mencionou “que bom momento eu tive no outro dia”. Mas ele ficou em silêncio, até que com o passar do tempo ele não podia mais. O relacionamento foi desperdiçado, mas antes de terminar, Laura já tinha uma nova pessoa para sair. Alguém que era casado. Alguém com quem ele enganou o casal que o havia enganado.

Os relacionamentos de Laura eram desastrosos e ela não percebeu que estava se engajando novamente. Ela nunca se deu tempo para ficar sozinha e começou relacionamentos sem realmente gostar da pessoa com quem estava. Ele estava se enganando. Não foi o amor que senti, mas a necessidade de aprovação e a busca de não ficar sozinho.

Todas as relações de Laura eram destrutivas e o mesmo padrão foi repetido. As pessoas com quem eu comecei um relacionamento eram casadas ou acabavam sendo infiéis. Ou seja, Laura estava em relacionamentos onde seus parceiros longe dela, a deixavam em paz, a substituíam por outra pessoa, enganavam e mentiam … De onde poderia tudo isso vir?

Laura viveu uma situação familiar em que seu pai traiu sua mãe, ela permitiu e em um ponto ela fez o mesmo, ela enganou ele também. Seus pais estavam prestes a se divorciar, mas continuaram. Até depois de 20 anos, eles definitivamente terminaram. Sua mãe sempre se sentia enganada, sozinha, como se ela fosse “a outra”. Seu pai sempre traiu sua mãe, sempre levou uma vida dupla. Ele até teve um filho com um de seus outros relacionamentos.

Saia do círculo vicioso de retraumatização

Laura não sabia o quanto seu ambiente familiar a afetara. Em seus relacionamentos, ele escolheu casais semelhantes ao pai. De alguma forma, ele reviveu a solidão, a sensação de ser o outro e os medos vivenciados em sua infância.

Atrair a mesma coisa repetidamente é apenas um sinal de alerta para começar a perceber o que está acontecendo conosco e tomar decisões sobre isso. Não nos fará bem culpar os outros pelo que está acontecendo conosco agora. Somos responsáveis ​​por nossa própria vida e só podemos decidir como queremos vivenciá-lo.

Esta não é uma situação simples. Laura, por exemplo, poderia ter chegado ao extremo de pensar que era melhor ficar sozinha para evitar encontrar pessoas que continuassem a prejudicá-la. Desta forma, eu rejeitaria qualquer casal em potencial, mesmo que não continuasse a perpetuar o padrão que havia sido cumprido até agora. Seria limitante e provavelmente não seria feliz.

É por isso que é importante não cair em extremos. Encontre o equilíbrio, veja o que está falhando, os erros que estamos cometendo e que estão nos levando a ter relacionamentos destrutivos. Tudo isso é muito importante para construir nossos relacionamentos.

Relacionamentos destrutivos minam você por dentro, eles te exaurem, eles roubam toda sua energia. No entanto, você não está ciente de que, com uma única decisão, essa situação poderia girar 180º.

Você pode sair de relacionamentos destrutivos. Nós apenas temos que estar conscientes do trauma que nos habita e nos marca. Nosso único objetivo é superá-lo.

Não culpe, não nos exerçamos vítimas e não nos conformemos. Com uma decisão podemos mudar a direção que tínhamos tomado até agora. Agora, estamos preparados para enfrentar o medo que a mudança implica?

Fonte indicada: lamenteesmaravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here