Na vida devemos lutar batalhas para alcançar certos níveis que nos dão segurança, nesse sentido estamos divididos entre uma luta material e espiritual, mesmo tocando os dois extremos, quando na realidade o que deve ser estabelecido é um ponto de equilíbrio, porque não tem a ver com não possuir nada material, mas sim em não deixar essas posses te dominarem.

Obviamente, o valor das coisas é medido pelo custo de alcançá-las e, assim, muitas pessoas se submetem às suas realizações materiais de tal maneira que podem prejudicar sua própria saúde e de alguma forma sacrificar seu próprio bem-estar pelo trabalho que fazem. é gerado para garantir bens materiais, que garantem O seu futuro E bem-estar, ambos bastante incoerentes.

Há também uma realidade palpável em que devemos trabalhar ou ser produtivos para conseguir o que precisamos e para cobrir nossas necessidades básicas e nos dar certos gostos, que dependem de todos, no entanto, sacrificar nosso tempo, espaço, desejos e bem-estar para manter e conservar essas posições materiais é deixar-nos ser possuídos pelo que alcançamos, daí a necessidade de abandonar os apegos e de valorizar o que é realmente importante.

Hoje temos muitos aspectos em relação ao sujeito do ego, quase uma doença, um inimigo porque, acontece que algumas coisas são necessárias, só temos que lidar com isso e estar cientes disso. Com o apego, acontece de maneira semelhante, tanto com as pessoas como com as coisas.

Nós tendemos a nos ater ao nosso ambiente, nos acostumamos a interagir com certas pessoas, certo ambiente de trabalho, certos amigos, rotinas, o mesmo acontece com posses materiais, nos ligamos a níveis de vida, certos parâmetros que nos colocam em vantagem ou desvantagem em termos da sociedade em que operamos.

O fato é que acabamos nos deixando condicionados pela nossa situação material, deixamos que ela tenha uma influência significativa em nossa vida, em nossa saúde, em nosso estado emocional, em nossas alegrias e tristezas, em nosso relacionamento, em cada passo que damos nossa vida e nós não percebemos que o material simplesmente desaparece, que não é algo que podemos levar a qualquer outro plano que não o que habitamos e que é bom desfrutar e ser digno de posses, o sofrimento começa quando nos apegamos demais sobre eles.

Por: Marvi Martínez, via Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here