O que há por trás das borboletas no estômago? Que reações ocorrem em nosso cérebro quando estamos apaixonados? O amor é um estado de embriaguez, um sentimento de “estar nas nuvens” e um desejo impetuoso de ficar perto da pessoa que percebemos como única, mas todas essas sensações, embora não sejam românticas demais, são causadas por uma série de substâncias químicas – hormônios e neurotransmissores – responsáveis ​​pelo nosso estado de encantamento.

Se os poetas, escritores ou cantores / compositores de antigamente, que definiram o amor de maneira idealista e romântica, levantaram a cabeça e souberam tudo o que a ciência descobriu, certamente ficariam desapontados ou céticos a respeito. Certamente, isso é o que realmente acontece no nosso sistema nervoso e é curioso conhecer esse outro ponto de vista, não tão mágico, mas mais biológico.

Se você já se apaixonou, você se lembrará de como sua língua funcionou quando você falou com aquela pessoa, como seu rosto ficou vermelho quando apareceu, seu coração seria mil e você poderia até mesmo tremer. Como você sabe, o amor tem vários estágios e essas sensações que acabamos de descrever corresponderiam ao estágio do desejo no início, ao encantamento quando duas pessoas acabaram de se conhecer e gostar uma da outra. Os feromônios atuam enviando sinais olfativos para que “essa pessoa” capte nossa atenção.

Uma vez captada a atenção, a culpa da atração irresistível que sentimos e de todas as reações fisiológicas geradas são adrenalina e norepinefrina. Como quando você anda na montanha-russa, a adrenalina aumenta a pressão sanguínea e acelera suas pulsações. Por sua vez, a norepinefrina é responsável pela atração e pelo bem-estar sexual ao se aproximar da pessoa de quem gostamos.

Esta fase também envolve o hormônio sexual testosterona, que, embora relacionado aos homens, também é secretado por mulheres. É gerado quando sentimos vontade de fazer amor com essa pessoa especial. A testosterona é como um afrodisíaco.

Depois desse impulso sexual, aquela paixão efervescente e transbordante e aquela loucura eufórica, vem o amor verdadeiro. Agora estamos apaixonados e, por causa disso, nosso cérebro começa a secretar feniletilamina, mais conhecida como FEA. A FEA é uma anfetamina natural, é conhecida como “molécula do amor”. Produz efeitos estimulantes e excitantes e também nos faz sentir imersos em um “tipo de doença” em que não podemos parar de pensar nessa pessoa, olhando para eles, chamando-os e querendo estar com eles o tempo todo. Altera nossa percepção, sendo capaz de perceber que nosso ente querido é perfeito, sem defeitos. Nos faz idealizá-lo.

A FEA é responsável por desencadear outros neurotransmissores no nosso cérebro. Uma delas é a conhecida dopamina, substância química da família das monoaminas, responsável pela sensação de prazer e reforço. A dopamina nos ajuda a ficar viciados em “aquilo” que nos dá prazer ou bem-estar, seja uma droga ou uma pessoa que se apaixonou por nós. A dopamina é responsável por esse desejo e atração de continuar se repetindo ao longo do tempo, uma vez que é algo que nos reforça.

Portanto, pode-se dizer que o relacionamento amoroso ou o casal começa, somos viciados nessa pessoa e precisamos deles ao nosso lado. De fato, se o amor nesta fase cessar, a pessoa sentiria uma verdadeira “síndrome de abstinência”. Por sua vez, o cérebro também secreta o hormônio oxitocina, encarregado do afeto ou mimos, geralmente é segregado em abraços e carícias. A ocitocina também é produzida durante o parto e durante a amamentação.

Mas quanto tempo dura esta loucura de amor?

Obviamente, essas reações químicas não duram para sempre, nosso cérebro não suportaria isso! O amor tem uma data de validade, embora isso dependa de cada casal e de suas circunstâncias. Os cientistas dizem que varia de três a cinco anos. Uma vez que o tempo passou, o corpo se acostumou à “droga”. Já conhecemos mais a pessoa, não é nova e é possível que algumas coisas nos desapontaram, o que faz com que os neurotransmissores se acalmem.

É nesse ponto do relacionamento que os casais precisam trabalhar mais. É importante não cair na monotonia e no tédio e inovar com o nosso parceiro em todos os sentidos. Em outras palavras, mantenha o fogo vivo se quisermos que o relacionamento não estagne e continue. Nosso cérebro então gera o hormônio vasopressina, conhecido como o hormônio monogâmico, que ajuda o casal a manter seus laços emocionais e permanecer unido, mesmo que a idealização do princípio tenha passado. “O amor faz o tempo parar e o tempo faz o amor passar” e quão verdadeiro é.

Esta fase pode não ser tão apaixonada, mas abriga coisas bonitas, como confiança, respeito, admiração, harmonia com a outra pessoa e desejo de ser nosso companheiro de viagem. Digamos que depois da tempestade a calma tenha chegado e seja necessário apreciá-la e aproveitá-la também.

Em que estágio você diria que está?

Artigo escrito por Alicia Escaño Hidalgo via lamenteesmaravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here