Amar alguém traz consigo muitas coisas maravilhosas, no entanto, também podemos estar expostos a situações que geram dor e no caso de terminar um relacionamento amoroso gostaríamos de ter um interruptor e apagar cada lembrança ou pelo menos a possibilidade de que eles nos procurem a qualquer momento, para nos encher de nostalgia, dor, às vezes raiva e frustração.

Quando estamos sujeitos à dor que criamos as experiências do passado, conscientemente esquecemos tudo o que pode estar ligado a esse sentimento e muitas vezes nos enganamos ao tentar encontrar esse estado.

Podemos distrair nossa mente para não pensar, podemos ler livros, fazer muitas atividades, ocupar nosso tempo e nossa mente em qualquer coisa que nos desconecte e, embora isso possa ajudar, devemos estar cientes de que não estamos enfrentando a dor, estamos tentando colocá-lo debaixo de um tapete e, infelizmente, esse tapete pertence a nós e devemos passar por isso muitas vezes e quanto mais as coisas que se acumulam sob ele, mais difícil será para nós para viajar.

A dor que está escondida é ampliada

Tudo o que não processarmos e pararmos de curar nos prejudicará mais cedo ou mais tarde. É necessário usar nossas ferramentas para lidar com o que não gostamos. Não devemos fazer como se nada acontecesse, se algo acontecesse nós deveríamos nos dar o tempo para curar, sem desespero, entendendo que, ao aceitarmos essa penalidade, podemos transmutá-la.

Esquecer não deve ser o objetivo

A verdade é que tomar informações de nossa mente que geraram um impacto importante, mas para um processo inconsciente de proteção, onde bloqueamos lembranças dolorosas, não é viável. O que devemos procurar é chegar a um estado em que a memória não nos machuque, que possamos sorrir afinal e onde nossa mente não recorra aos eventos que nos geram desconforto com tanta frequência.

Tudo é transitório

Devemos lembrar que o tempo nos ajuda a ver as coisas de uma maneira diferente e que tudo muda, a alegria de hoje pode ser lágrimas amanhã e talvez hoje choremos por amor, pois amanhã nos sentimos plenamente felizes em um relacionamento. Não dê mais importância às coisas do que você merece, sempre em nossa mente as coisas ficam mais complicadas do que o necessário.

Vamos aprender a deixar ir, a perdoar os outros e a nós mesmos, vamos valorizar as memórias que nos enchem de alegria e também aceitar as situações complicadas de nossas vidas. A vida inclui tudo, felicidade e tristeza, amor e decepção, verdades e mentiras, não queiramos tirar de nós o que contribuiu para ser como somos hoje, o esquecimento está perdendo algo de nós, que tem levou para onde estamos agora, que é sempre o lugar certo, mesmo que não o entendamos no momento.

Fonte indicada: Sara Espejo – Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here