Há aqueles que, no amor, agem quase como um verdadeiro manipulador. Uma de suas estratégias mais comuns é colocar a lupa no casal para apontar defeitos, erros e os supostos pontos fracos ao ponto de invalidá-lo. É o paradigma do covarde, da pessoa que não compreende que, no amor, mais do que a lupa, o que é necessário são espelhos.

No que diz respeito às relações afetivas, ninguém pode arvorar a bandeira da sabedoria absoluta. A maioria de nós já correu mais de uma vez através do precipício dos erros com toda a cavalaria de sonhos e esperanças por trás de nós, nós naufragamos mesmo no oceano de amores impossíveis e também naquelas paixões covardes, aqueles que não ousaram para dar tudo por medo ou por simples indecisão.

Agora, há um tipo de relacionamento que geralmente causa mais estragos do que qualquer outro, e é aí que um membro do casal – às vezes até os dois – agem como autênticos construtores de identidade. São aqueles perfis que focam sua atenção em tudo o que não gostam ou que os incomoda no casal para reificar, ridicularizar e controlar o cônjuge. Eles fazem isso porque é assim que assumem as rédeas, como conseguem compensar sua auto-estima ferida.

Quase sem perceber, estamos presos em uma roda de hamster, onde a própria inércia nos arrasta, nos dilui e nos prende ad eternum em uma dinâmica perigosa de infelicidade. Uma dinâmica na qual aquele que sempre carrega a lupa na mão é incapaz de se olhar no espelho para descobrir seus poços sem fundo, seus abismos de imaturidade.

A sobrevivência complexa do amor: toda a culpa tem a outra pessoa

Howard Markman é professor de psicologia na Universidade de Denver e um dos pesquisadores mais conhecidos sobre relacionamentos. No mercado editorial, temos um grande número de seus trabalhos que ilustram com precisão e originalidade muitos problemas afetivos que ocorrem no âmbito do comum e do cotidiano.

Uma das idéias mais interessantes explicadas pelo Dr. Markman é que a maioria das pessoas que freqüenta a terapia de casais está convencida de que toda a responsabilidade pelos problemas e infelicidade vivenciada é o cônjuge. Eles também abrigam a esperança frustrada de que o terapeuta alcance a “cura” ou, mais especificamente, “cure” esse comportamento errado que o nosso parceiro exerce. Se fosse por eles, e que muitas vezes eles esperam do profissional, é que eles dão a razão e chamam a consulta para o seu parceiro para puxar as orelhas para o seu mau comportamento.

Agora, por trás de um problema de casal, geralmente não há problema de saúde mental, mas geralmente há um problema na dinâmica relacional. Uma dinâmica que os dois construíram e instalaram, através da qual estão relacionados.

Para o Dr. Howard Markman, as reclamações que chegam à consulta relacionadas ao casal são frequentemente associadas a certas deficiências na educação emocional e nas habilidades psicológicas. Assim, o que ele propõe é que desde muito cedo uma área específica chamada “psicoeducação” seja introduzida nos currículos das escolas.

O objetivo da psicoeducação seria nos fornecer estratégias, ferramentas e habilidades para podermos ajudar a nós mesmos. Seria, portanto, aprender a colocar o espelho em si mesmo para identificar os próprios medos, inseguranças e, não menos importante, para derrubar todos aqueles rígidos papéis e esquemas de gênero impostos a nós pela própria sociedade.

Não podemos esquecer, por exemplo, que em matéria de amor, há aqueles que se deixam levar por esses esquemas pré-fabricados, herdados até de suas próprias famílias, onde supõem que é “melhor ficar quieto e aguentar um pouco mais”, que “se ele não faz isso e a outra coisa é que ele não me ama, e por isso eu fico com raiva e me imponho porque eu mando »…

Seria, em essência, estabelecer uma base de qualidade humana adequada e autoconhecimento para cuidar de nós mesmos e, assim, trazer a nossa melhor versão e força para os relacionamentos.

O amor não cura se você não se ama

Nesse tecido rico, complexo e em constante crescimento que compõe as relações afetivas, há sempre um pequeno reservatório de conflitos. Longe de ver isso como algo negativo – como o vírus que pode levar a uma doença -, devemos assumi-lo como um mecanismo que nos permitirá nos conhecer muito melhor para criar um vínculo muito mais forte, um tecido mais resistente.

Os conflitos colocam em movimento as fibras mais sensíveis do nosso ser, sabemos, mas muitas vezes o fazemos colocando a lupa nos supostos defeitos do outro de um modo quase obsessivo e delirante. Fazemos isso sem ter consciência da nossa “cota” de responsabilidade emocional, sem perceber que às vezes nos movemos pelo mundo tão nus e tão frios que a única coisa que queremos é que alguém seja o nosso vestido, um abrigo perfeito, um segundo pele capaz de curar todas as feridas.

No entanto, devemos ser claros: esta fórmula nunca funciona. Porque quem também atua como “doador”, que só se sente útil quando necessário, está ancorado a um relacionamento dependente, àquela roda de hamster da qual falamos no começo onde mais cedo ou mais tarde, nos faltará nossa respiração, vida e dignidade Porque quem lá está só para oferecer sempre viverá sob aquela lente de aumento exigente que busca a perfeição absoluta para nutrir vazios e necessidades dos outros … E o que é pior, você nunca se sentirá satisfeito.

Não vamos permitir, vamos todos ficar na frente do espelho para redescobrir a nós mesmos e nossa autoestima. Não nos deixemos arrastar para aquele território onde o preço a ser amado é a própria infelicidade.

Tradução do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here