Você se lembra de quando a sua mãe, ou a sua avó, falavam com pesar sobre aquela tia “solteirona”, sempre pontuando que ela deveria ser uma pessoa solitária e carente? É bem possível que você se lembre, afinal nem faz tanto tempo assim que as pessoas, em geral, pensavam assim. Ainda hoje é possível notar, nas rodas de conversa, resquícios deste discurso. Mas a boa notícia é que, aos poucos, esta ideia vem se dissipando, e dando lugar a um entendimento de que a felicidade não é igual para todo mundo. Há quem seja feliz vivendo um casamento e constituindo uma família e há quem seja feliz amando a si mesma.

E, para colocar a última pá de terra em cima deste pensamento atrasado de que uma mulher que escolhe ser solteira não é feliz, o professor de ciências comportamentais da London School of Economics, Paul Dolan, disse no Hay Festival: “As mulheres mais felizes são as que preferem dizer não ao casamento. Elas também têm a tendência a viver mais que as casadas e com filhos.”

“Os casados são mais felizes que outros subgrupos da população, mas somente quando respondem à pergunta na presença de seus parceiros”, disse ele, segundo o The Guardian.

“Mas quando o parceiro não está presente: são infelizes para car***o.” , cravou o especialista.

Segundo Dolan, as mulheres é que têm mais a perder quando decidem se casar. “Temos bons dados acompanhando as mesmas pessoas ao longo do tempo, mas farei um grande desserviço à ciência e direi: se você é homem, provavelmente deveria se casar; se é mulher, não se preocupe com isso.”

Para estas afirmações, que podem soar um tanto chocantes para algumas pessoas, Dolan usou evidências do American Time Use Survey, que comparou níveis de felicidade e sofrimento entre indivíduos solteiros, casados, divorciados, separados e viúvos.

As declarações de Dolan vão ao encontro das opiniões de Elyakim Kislev, professor assistente da Hebrew University de Israel e autor de Happy Singlehood: The Rising Acceptance and Celebration of Solo Living (Feliz Solteirice: a crescente aceitação e celebração da vida solo, em tradução livre).

Kislev afirmara previamente ao HuffPost Canadá que ser solteiro tem muitas vantagens, incluindo não se ver em um casamento infeliz porque você foi pressionado a se casar. Além disso, os solteiros têm melhor formação em comparação com casados e divorciados. “Dizer que ser solteiro e ser sozinho são a mesma coisa é um grande equívoco”, disse ele.

Falando na conferência anual da Associação Psicológica Americana de 2016, a especialista Bella dePaulo afirmou que os solteiros têm vidas sociais mais robustas e podem ter mais crescimento psicológico que os casados.

A pesquisadora apresentou dados mostrando que os solteiros estão mais conectados com a família e com os amigos, enquanto os casados tendem a passar mais tempo com os parceiros, diz o jornal britânico.

Ela também afirmou que solteiros autossuficientes têm menor propensão a sentir emoções negativas – enquanto casados autossuficientes sofrem mais com o estresse.

Portanto, apesar de todas essas descobertas, por que as pessoas solteiras se sentem infelizes? Por causa dessa narrativa antiga que casamento e filhos são sinais de sucesso, disse Dolan.

“Você vê uma mulher solteira de 40 anos, que nunca teve filhos – isso é uma vergonha, não é? Talvez um dia você conheça o cara certo e isso mudará. Não, talvez ela encontre o cara errado e isso mudará. Talvez ela encontre um cara que a torne menos feliz e saudável e morra mais cedo.”

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de HuffPost.
Foto destacada: Divulgação/Netflix – Coisa mais linda.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here