Esta história tem todos os ingredientes para te fazer acreditar definitivamente na força poderosa do amor entre irmãs. Carinho, dedicação e companheirismo moldam o relacionamento entre as gêmeas Graziela e Rafaela, que por circunstâncias da vida, acabaram se tornando mãe e filha.

“Somos gêmeas bivitelinas [geradas em placentas diferentes]. Ocorre 1 caso a cada 1 milhão de gêmeos bivitelinos nascidos”, contou Graziela Altino Gomes em entrevista ao site Só Notícia Boa.

Quando a mãe delas morreu de infarto aos 50 anos em 2004 – ela era separada do pai das meninas – Graziela pediu a guarda da irmã, Rafaela, que tem síndrome de Down. Elas eram menores de idade e, desde então, viraram praticamente mãe e filha.

Arquivo pessoal / Divulgação autorizada.

“Vai fazer 15 anos que minha mãe faleceu agora dia 7 de julho. Eu consegui a guarda de Rafaela há 12 anos. Em 2008 consegui a curatela dela – guarda de uma pessoa maior de 18 anos”, disse.

Graziela foi obrigada a amadurecer muito cedo, quando ainda tinha 17 anos, e enfrentar uma dura realidade: ela tinha que conviver com a falta da mãe e assumir os cuidados da irmã gêmea, que requer atenção especial.

“Eu tive um luto bem complicado. Sofri muito pra entender Deus, e o porquê… foi bem difícil para gente. Então eu me fechei pro mundo. Eu tinha tudo para ser ruim depois da morte da minha mãe, não tinha muitas escolhas. Mas, fiquei por ela e aprendo a perdoar, sentir, querer viver com ela. Rafaela é minha vida. Não sei o que seria de mim como ser humano se não fosse ela”, diz Graziela.

Atualmente, as gêmeas estão bem. Elas têm 32 anos, moram no município de Nova Cruz, no interior do Rio Grande do Norte e falam eventualmente com o pai, que vive em outro estado.

“Financeiramente não [temos problema]. Eu trabalho e Rafa tem a pensão dela, lutei pelos direitos dela. Somos simples, mas graças a Deus não nos falta nada material”, afirma.

Graziela é médica veterinária e sempre que pode acompanha a irmã nos tratamentos na fonoaudióloga, na psicóloga, gastro, endocrinologista e na escola.

Rafaela estuda em uma escola particular normal, adaptada. Ela está no 7º ano.

Este ano, pela primeira vez, Graziela foi homenageada pela irmã na escola e recebeu o presente do dia das mães.

Arquivo pessoal / Divulgação autorizada.

“Foi o primeiro dia das mães que aceitei participar na escola dela. Ela me pedia e nunca tinha conseguido ir, mas esse ano nós fomos. Foi duro, chorei muito. Hoje eu consigo entender e sentir isso. Sou sim a mãe dela, e amo ser!”, disse.

Este mês, na festa de São João, as duas se divertiram também: “eu aprendi a coreografia para poder ajudá-la [na apresentação]”, lembra.

A boa relação entre as duas se deve também ao jeito da Rafaela. “Ela é compreensiva, paciente, calma e serena.”

Graziela acredita que é uma história que vai além de serem gêmeas, mãe ou filha.

Arquivo pessoal / Divulgação autorizada.

“Acredito que vai além de laços sanguíneos… A gente viveu outras vidas juntas, não sei como. Mas, sabe aquele negócio de gêmeos sentir as coisas do outros? Nós somos assim. Ela é o que conheço de melhor nesse mundo”, concluiu.

Sou capaz de apostar que essa é a melhor história que você leu hoje. O amor entre Graziela e Rafaela é mesmo uma preciosidade.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de SNB.
Foto destacada: arquivo pessoal / divulgação autorizada.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here