A dignidade é autoestima, respeito por si mesmo e pela saúde. É também a força que nos tira do chão quando quebramos as asas na esperança de alcançar um ponto distante onde nada dói, onde possamos olhar para o mundo novamente com a cabeça erguida.

Poderíamos dizer quase sem erro que poucas palavras são tão importantes hoje quanto a que nos leva neste momento nosso artigo. Foi Ernesto Sabato quem disse há pouco que aparentemente a dignidade do ser humano não estava prevista neste mundo globalizado. Todos nós vemos isso todos os dias, nossa sociedade está cada vez mais articulada em uma estrutura onde gradualmente perdemos mais direitos, mais oportunidades e até mesmo liberdades.

No entanto, e isso é interessante ter em mente, existem muitos filósofos, sociólogos, psicólogos e escritores que tentam nos oferecer estratégias para moldar o que eles chamam de “a era da dignidade”. Eles consideram que é hora de se definir, de ter voz e trabalhar em nossos pontos fortes pessoais para encontrar maior satisfação em nossos ambientes mais próximos, e assim gerar uma mudança relevante nessa sociedade cada vez mais desigual.

Personalidades como Robert W. Fuller, físico, diplomata e educador, colocaram na mesa um termo que, sem dúvida, começaremos a ouvir com mais frequência. É sobre “rankismo”. Este termo inclui todos aqueles comportamentos que corroem dia a dia nossa dignidade: ser intimidados por terceiros (casais, patrões, colegas de trabalho), sofrer assédio, sexismo e até ser vítima da hierarquia social.

Todos, em algum momento de nossas vidas, sentiram esse sentimento de perder sua dignidade de alguma forma. Seja por um relacionamento abusivo ou por realizar um trabalho mal renumerado, são situações com alto custo pessoal. Exigir mudanças, posicionar-nos a nosso favor e lutar por nossos próprios direitos nunca será um ato de orgulho, mas de ousar ser corajoso.

A dignidade no trabalho de Kazuo Ishiguro

Muito recentemente, acordamos com a notícia de que o escritor britânico de origem japonesa Kazuo Ishiguro seria o Prêmio Nobel de Literatura deste ano. O público em geral conhece-o sobretudo por um dos seus romances, “O que resta do dia”, obra que por sua vez foi levada ao cinema de uma forma excepcional. O mais curioso de tudo isso é que nem todo mundo vê qual é o tema central desse livro tão meticuloso, às vezes desesperado, mas sempre magnífico.

Podemos pensar que “Vestígios do dia” nos fala de uma história de amor. De um amor e paredes covardes, daqueles em que os amantes nunca tocam a pele e as pupilas estão perdidas em qualquer outro lugar, exceto na pessoa que você ama. Podemos deduzir que o livro é a história de uma casa e seus habitantes, senhores e servos, e como um nobre, Lord Darlington, buscou a amizade dos nazistas antes da passividade de seu mordomo, que viu como seu senhor traiu a pátria. .

Poderíamos dizer isso e muito mais, porque essa é, sem dúvida, a magia dos livros. No entanto, “o que resta do dia” fala de dignidade. Da dignidade do personagem que atua como narrador e que, por sua vez, é o protagonista da história, o Sr. Stevens, mordomo do Darlington Hall.

Todo o romance é um mecanismo de defesa puro, uma tentativa de justificação contínua. Estamos diante de uma pessoa que se sente digna e honrada pelo trabalho que faz, mas tal trabalho nada mais é do que o reflexo da servidão mais sangrenta e absoluta, onde não há espaço para reflexão, dúvida, reconhecimento da própria pessoa. emoções e menos ainda por amor.

No entanto, chega um momento em que a imagem do “grande mordomo” desmorona. Durante um jantar, um dos convidados de Lord Darlington faz uma série de perguntas ao Sr. Stevens para demonstrar a total ignorância das classes mais baixas. Um ataque direto em seu “eu”, onde o mordomo fica de lado para dar lugar ao homem ferido que nunca teve dignidade e viveu sob uma concha. O homem que recusou amor verdadeiro por servir os outros.

Recuperar o fôlego e fortalecer a nossa dignidade

É indubitavelmente curioso como o observador externo e até mesmo o leitor que navega página por página em livros como “O que resta do dia”, sabe imediatamente como uma determinada pessoa está sendo manipulada ou como tece um laborioso auto-engano para justificar cada ato aos nossos olhos inexplicável No entanto, também podemos estar realizando certas tarefas muito semelhantes às do mordomo do Darlington Hall.

Podemos estar dando tudo por esse amor, por essa relação prejudicial, tóxica e até exaustiva. Às vezes amamos com os olhos cegos e um coração aberto, sem perceber que nesse vínculo vamos amarrar todo o tecido da autoestima. Podemos também ter tempo nesse trabalho mal remunerado, no qual não somos valorizados, a vida e a dignidade vão nos deixar … mas o que será feito, os tempos são o que são e sempre o mal conhecido será melhor que um conta corrente vazia

Devemos acordar, dissemos no início, esta deve ser a era da dignidade, aquela em que todos devemos nos lembrar de nosso valor, nossa força, nosso direito de ter uma vida melhor, de sermos merecedores daquilo que queremos e precisamos. Dizer isso em voz alta, estabelecer limites, fechar portas para abrir outras pessoas e nos definir diante dos outros não é um ato de orgulho ou egoísmo.

Evitemos perder nossa individualidade, pare de justificar o que é injustificável e evite fazer parte desse equipamento que desliga nossas virtudes e personalidades maravilhosas todos os dias. Vamos aprender, portanto, a deixar de sermos sujeitos de infelicidade para criá-lo com nossas próprias mãos e vontades.

Fonte indicada: lamenteesmaravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here