Certamente, muitas vezes você ouviu falar sobre a congruência e o que significa ser alguém congruente. Ou talvez você tenha ouvido o comentário típico de “É incongruente! Ele faz uma coisa e diz outra, não há ninguém que a entenda!”

Bem … parece que ser congruente está ligado a uma certa transparência tanto interna (de uma pessoa consigo mesma) quanto externa (na qual o que se reflete é o que se é). Ninguém mostra nada além de sua verdade, sem camuflagens ou máscaras.

Por outro lado, as pessoas que agem de forma incongruente são aquelas que geram certas dores de cabeça para si e para os outros. Eles se afastam do que são, eles se comportam de maneira diferente de como se sentem ou como pensam.

Congruência é a correspondência entre o que se sente e expressa

Portanto, podemos definir congruência como aquele equilíbrio que existe entre o estado mais visceral de alguém (o que se sente em seu “intestino”) e a externalização que se faz dele em seu comportamento, tanto verbal quanto não verbal. Isto é, quando se é congruente, não há falta de harmonia entre o que se sente e o que se exterioriza.

Por exemplo, se me sinto traído pelo meu amigo, não o camuflado nem faço nada como se nada tivesse acontecido. Vou refletir como me sinto, já que sinto tanta dor que recebi e gostaria que ela visse como ela me fez sentir. Eu serei congruente com minha dor e com meus sentimentos.

Pessoas congruentes constroem confiança para com os outros

Pessoas congruentes muitas vezes constroem confiança nos outros, uma vez que não mostram outra face diferente da que sentem, nem tentam fingir ou disfarçar seu estado interior. Elas sabem ouvir o que sentem por dentro e são capazes de aceitar, sem enganar a si mesmos ou aos outros.

Elas são mostrados como são, sem dar outras nuances diferentes de como se sentem. Elas são pessoas corajosas, já que vivemos em uma sociedade em que não fomos ensinados precisamente a mostrar o que sentimos. Em vez disso, em muitas ocasiões, fomos encorajados desde pequenos a esconder nossas verdadeiras emoções, a mascará-las, ou até mesmo a encobri-las com outras pessoas melhor toleradas nessa sociedade.

Às vezes, cobrimos a tristeza com uma alegria excessiva … ou usamos a tristeza para conseguir o que ansiamos e o que não obtemos. Certamente você pode conhecer alguém que foi muito alegre logo após ter sofrido alguma perda (por exemplo, amor). Ela não se permite sofrer perda porque “tem que ser forte” e porque “nenhum homem merece suas lágrimas”.

E quando ele precisa chorar, ele vai rir. E cada vez acumulará mais peso na sua verdadeira emoção. Cobrindo-o até que não haja pedaços dele. Desta forma, acaba-se tornando-se um especialista em fingir e um inexperiente em deixar-se sentir como ela é.

Congruência fala da correspondência entre pensamentos e ações

Também falamos de congruência quando nos referimos à harmonia existente entre nossas ações ou comportamentos e nossa maneira de pensar. Muitas vezes, provavelmente, teremos nos descoberto agindo de uma maneira que contrasta com nossos pensamentos e valores. Isso produz uma mistura de estranheza e vergonha.

Se presumo quão tolerante e paciente sou com os outros, mas então, no primeiro momento de mudança, sou incapaz de assumir outros pontos de vista diferentes dos meus; Se eu ficar com raiva e eu ficar chateado … eu provavelmente tenho que repensar essa ideia de mim mesmo. Desde que acreditar que um é de certa forma, mas na verdade, de uma forma contrária ao que se acredita, produz um sentimento desagradável. Portanto, essa incongruência tende a ser eliminada: em favor de um lado ou de outro.

Portanto, começar no caminho da congruência não é “absurdo”: implica um pacto de honestidade consigo mesmo muito importante.

O problema de ser incongruente está acima de tudo na desconfiança que acabamos gerando em outras pessoas. É difícil confiar em alguém que age de forma diferente do que você pensa, e é difícil confiar em alguém que é o oposto de como você realmente se sente.

A intuição nos mostra quem está sendo congruente conosco e quem não é

Há pessoas muito intuitivas que são capazes de perceber essas dissonâncias e, ao mesmo tempo, são capazes de perceber quando alguém está sendo congruente. E isso é algo que é digno de agradecimento, já que é mais fácil e menos imprudente ser-se na companhia de pessoas que estão sendo elas mesmas – sem qualquer máscara -, estar na companhia de pessoas que dão a sensação de estar em um dança mascarada.

Por tudo isso, é muito importante continuar conhecendo a nós mesmos, sem medos ou objeções, para observar o que está dentro de nós. Se aceitarmos o que somos, não precisaremos ocultá-lo ou negá-lo. Pense que viver com uma máscara é exaustivo e não cria nenhuma relação autêntica com o outro.

Encontrar o equilíbrio entre o que se sente, pensa e faz é uma conquista que tornará nossos relacionamentos mais verdadeiros e autênticos; começando com o relacionamento que temos com nós mesmos, já que somos nossos únicos parceiros de vida desde que nascemos até morrermos, quer queiramos ou não.

Do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here