A liberdade de ser eu mesma, de ser diferente e autêntica não deve ser desaprovada. Ser feliz com ou sem um parceiro, ter um caráter forte, fazer loucuras saudáveis ​​de tempos em tempos como reflexo de nossa alegria de viver não deveria ser criticada. Assim, “se ser diferente é um crime, eu mesma vou colocar as correntes”.

Dizem que, para enfrentar a vida, as barreiras defensivas precisam ser superadas. Agora, mas o que acontece quando alguém já superou seus medos e inseguranças e são os outros que ousam nos colocar no fio? Uma coisa não deveria ser diferente da outra. O crescimento interior, aquilo que nos permite ser livres e autênticos, envolve ser forte psicologicamente e emocionalmente para deixar de ser permeável aos pinos do ambiente.

Yves Pélicer, médico e psiquiatra do Hospital Necker, em Paris, é conhecido por oferecer ao público em geral livros psiquiátricos simples de entender e muito didáticos. Sua abordagem sempre defende o mesmo princípio. A psicologia deve restaurar a dignidade de ser seres humanos únicos e diferentes. Somente quando permitimos a nós mesmos e aos outros sermos quem realmente queremos ser, encontraremos a felicidade.

Portanto, ser diferente – em um mundo em que o modelo da mulher é quase sempre tão homogêneo e restritivo – é, sem dúvida, um desafio pessoal. Propomos refletir sobre isso.

A complexa aventura de ser você mesmo

Na maioria das abordagens psicológicas, aprendemos o valor e a necessidade de ser sempre “nós mesmos”. Agora, precisamos refinar a ideia um pouco mais. “Ser-se” não inclui características temporárias ou acidentais. Assim, se meu parceiro me abandonou, isso não implica que eu seja “alguém que não merece ser amado”; Se estou desempregado, não sou, longe disso, um “fracasso”.

A auto-aceitação não está relacionada com este tipo de eventos fortuitos. Nem supõe, muito menos aceitar o que os outros dizem, pensam e esperam de nós. Ser-se é fazer um tecido bonito com nossa identidade e essência para envolver cada dia com ele. Ser fiel a cada uma de suas tonalidades, suas forças e tentar, por sua vez, ser melhor à medida que avançamos.

Agora, esse processo de integração e construção do eu também envolve sentar-se e dedicar tempo a um único propósito: realmente saber quem somos. Longe de ser a questão filosófica clássica, por trás disso há um aspecto vital.

Saber quem somos implica, por sua vez, descobrir se a vida que levamos está sintonizada com nossa identidade. Se eu sou uma pessoa positiva, inquieta e cheia de sonhos, eu não posso estar ao lado de alguém que só fala para jogar lixo em minhas ilusões.

Às vezes, quando você se torna consciente de quem você é, você percebe que nada que o rodeia se encaixa com o seu ser autêntico…

Seja diferente, imperfeito, livre e feliz

Ser diferente, numa sociedade em que a maioria das mulheres deve ser igual, não é fácil. Nós indicamos isso no começo. Deixando de lado a sombra do patriarcado que já conhecemos, na maioria dos cenários marcados pela modernidade, outros tipos de realidades estão ocorrendo.

A mulher de hoje é obrigada a encaixar um tamanho único em todas as áreas de sua vida: a perfeição. Espera-se que ela atinja a vitória no emprego, mas quando a hora é mãe. Mas não apenas qualquer mãe. Mas um “supermamá” capaz de combinar trabalho, se reunir em casa, com o casal, família, amigos e também manter um corpo perfeito.

Sem esquecer, como poderia ser de outra forma, quem se preocupará em educar crianças igualmente perfeitas para ler e escrever aos cinco anos.

Tudo isso pode ser positivo, não há dúvida. E haverá mulheres que o alcançarão. No entanto, o que está por trás de tudo isso é também uma “sob demanda”: ​​além da regra implícita de que somos todos iguais. A mãe sem um parceiro ainda é indicada. A mulher que está feliz com seus quilos extras é criticada por seu descuido, por não cuidar de si mesma. Aquele que triunfa e não quer viver a maternidade também é visto com estranheza. Se ela vive a maternidade e a amamentação em público, isso também é indicado.

Ser diferente na realidade é ter a coragem de ser normal. Porque a normalidade é precisamente ser a si mesmo em cada um dos nossos atos e decisões. O que nunca será normal é ser levado por esquemas alienígenas, por estereótipos e pelo que os outros estabelecem como esperado, em seu desejo de controlar a vida dos outros.

Ser felizmente imperfeito em um mundo que aspira à falsa perfeição é, sem dúvida, o mais saudável. Porque não há nada melhor do que desfrutar de cada dia a liberdade de ser a si mesmo sem medo, quebrando cada cadeia que aparece em nosso caminho e que tenta nos amarrar.

Do site lamenteesmaravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here