Li uma frase encantadora do filósofo e escritor espanhol Ortega Y Gasset que me deixaram bastante reflexivo a respeito da infância, quando surgem nossos primeiros sonhos de futuro. Confira!

 “O canto do poeta e a palavra do sábio, a ambição do político e os feitos do guerreiro são sempre ecos de um incorrigível menino preso dentro do adulto”.

Ortega Y Gasset

Apesar de curta, essa frase traz inúmeras reflexões. O que mais gostei nela é a palavra incorrigível. Ela vem dizer que, pelo próprio transcorrer da vida, muitas forças tentam nos desviar do nosso verdadeiro caminho, daquele que nos trará grande realização pessoal.

Daí ele exemplifica com o poeta, o sábio, o político e o guerreiro. Cada um desempenha um papel diferente na sociedade, todos com sua importância, e que tem por trás a motivação que surgiu lá atrás, ainda na infância.

Pensei na minha própria infância e posso afirmar que faz muito sentido o que ele coloca. Ainda muito criança eu já gostava de pegar tudo que fosse livro que estivesse a minha disposição pra ler. Tinha dias (parece até mentira, mas acredite!) que eu acordava de madrugada no período das férias escolares, e passava um tempão lendo livros que ganhava de presente dos meus tios e nem me dava conta da hora. Por vezes via os primeiros raios de sol debruçado sobre livros que me fisgavam completamente.

Além disso, eu gostava de explicar para meus amigos os conteúdos que eles tinham dúvidas, principalmente matemática, que achava super fácil.

Hoje, adulto, com o que trabalho? Com o Ensino. Eu me tornei professor e amo essa profissão. Não consigo me imaginar fazendo outra coisa que não esteja diretamente relacionado com o ensino e com as leituras.

Por conta das experiências que passei ao longo principalmente da adolescência, eu quase me desviei do que realmente é a minha missão. Fiz Bacharelado em Física e se mergulhasse de cabeça nessa área, minha vida seria trancafiada dentro de um laboratório, fazendo contas o dia inteiro e trabalhando com programas de simulação computacional. E claro! Estaria profundamente infeliz, talvez até tomando remédios antidepressivos.

Na busca pelo autoconhecimento, que obviamente inclui livros de Filosofia, descobri que de fato é com o ensino que mais me realizo. O ensino são esses ecos incorrigíveis que a criança que mora em mim jamais deixa que se apaguem.

Agora pense na sua vida e sua trajetória. Você está feliz com seu trabalho? Se sente realizado com seus projetos? Acorda segunda-feira de manhã feliz com mais uma semana de trabalho que se inicia? Se a resposta for não ou se você titubeou pra responder, é bom rever, reavaliar seus caminhos, reavivar seus sonhos lá da infância, para assim, você se aproximar cada vez mais do seu propósito de vida.

Pergunte a si mesmo: “O que lá na infância eu gostava de fazer? Que me enchia de alegria e que meus amigos e colegas davam parabéns pra mim?”. Essa pergunta é a chave para grandes transformações na vida!

Se você tem um lado poético adormecido, deixe que a poesia ecoe e alcance outras pessoas.

Se você quer se desenvolver na ciência ou na universidade, estude pra valer, faça com que isso se torne realidade.

Se pensa em cantar, em ser músico. Se junte com outras pessoas que como você, tem sonhos semelhantes e comece uma banda, grave músicas, disponibilize no youtube, no spotify, no soundcloud e comece a conquistar fãs!

A vida é uma bela jornada, e passa mais depressa do que gostaríamos. Então, deixe que esses ecos incorrigíveis da criança que lhe habita sejam tão fortes que sejam ouvidos por você e por todos que adentrarem o seu mundo…

Imagem de 【中文ID】愚木混株 【ins-ID】cdd20 por Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Isaias Costa
Bacharel em Física. Mestre em Engenharia Mecânica e Psicanalista clínico. Trabalha como professor de Física e Matemática, mas não deixa de alimentar o seu lado das Humanas estudando a mente humana e seus mistérios, ouvindo seus pacientes e compartilhando conhecimentos em seu blog "Para além do agora", no qual escreve desde 2012.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here