A falta de esperança na depressão configura uma realidade muito debilitante. É o vazio mais absoluto, a vontade de viver está faltando, é o desamparo e a crença de que nada do que fazemos irá melhorar as coisas. Que o manto de cinza extingue um por um todo o valor da pessoa para configurar uma sintomatologia onde a fadiga corre, a falta da auto-estima e em muitos casos, até ideação suicida.

Soren Kierkegaard, filósofo dinamarquês do século XIX e pai do existencialismo, costumava dizer que a depressão se torna uma maldição quando se combina com o desespero e o desespero. Ele definiu isso como um distúrbio espiritual, em que a pessoa parou de entender qualquer evento. Nada poderia ser mais aniquilador do que viver naquele nada onde se perde até a capacidade de amar e a apreciação de estar no sentido mais profundo.

Porque quando a depressão anda de mãos dadas com o desespero, tudo falha e desaparece sob os nossos pés. Essa idéia de Kierkegaard, golpeando o suficiente, se encaixa muito bem com o psicólogo cognitivista concepção Aaron Beck estabelecida na década de 60 para o último, havia um tipo de depressão, onde a atribuição interna foi tão negativa que mergulhou o ser humano em quadro clínico de grande sofrimento.

O desespero na depressão, o vazio que aprisiona

Dentro da literatura de psicopatologia, o conceito de desespero sempre foi um pouco negligenciado. Além disso, estudos como o do Dr. Marc Bürgy, da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, apontam que a experiência subjetiva dessa dimensão está por trás de realidades tão sérias quanto o suicídio. Desta forma, e do ponto de vista fenomenológico, o desespero na depressão é um aspecto ao qual muito mais relevância deve ser dada.

Por outro lado, há um aspecto que, sem dúvida, apóia essa questão e que o desespero está por trás da depressão maior. Sabendo disso, as seguintes perguntas que podemos nos fazer são: que tipo de sintomatologia essa condição apresenta? Qual é a anatomia do desespero na depressão?

Sintomatologia

. Anedonia, incapacidade de sentir prazer por coisas que gostamos ou que nos interessavam antes.
. Fadiga
. Alterações do sono (ou sono pouco ou supersomnia sofre).
. Alterações na comida (há pessoas que perdem o apetite e outras, ao contrário, que comem excessivamente).
. Perda de energia, incapacidade de realizar quase qualquer atividade.
. Problemas de concentração.
. Desamparo (sentindo que não importa o quanto tentemos, nada vai melhorar)
. A vida deixa de ter um significado claro, não há propósitos, nem ilusões, nem senso de conexão com aqueles que nos rodeiam.
. Pensamentos suicidas.

Como lidar com o desespero na depressão?

Há uma proposta teórica muito interessante feita por Abramson, Metalsky e Alloy (1997) que fala precisamente da teoria da depressão devido à falta de esperança. Segundo esse quadro, nessa condição psicológica sempre faz parte de uma vulnerabilidade de origem cognitiva.

Ou seja, as pessoas criam estilos de pensamento nos quais tendemos a antecipar eventos negativos, onde a própria atribuição interna é limitada a destruir nossa auto-estima, e cada processo mental acaba nos invalidando, mergulhando-nos em um estado de desamparo absoluto.

Vamos ver abaixo algumas estratégias para refletir sobre como tratar o desespero na depressão.

As camadas da minha depressão

Como todos sabemos, existem diferentes tipos de depressões. Agora, uma grande parte deles é composta de várias camadas, mantos que sufocam e afundam valorações, pontos fortes e perspectivas. Assim, uma das camadas mais espessas e mais externas é a do desespero e do desespero, gerando respostas emocionais e comportamentais que moldam a depressão.

Nós devemos retirá-los, tirar o poder deles.

. Desesperança na depressão tem tanto impacto porque cria um ciclo de feedback. A maneira como se origina é através do próximo ciclo de pensamentos -> Eu sei que estou errado, estou deprimido e sendo assim me desespero. Sinto-me triste, não gostei assim e, no final, assumo uma atitude passiva, de evitação e hibernação. Assumir essa atitude ainda apaga minhas esperanças, porque me sinto inútil e sem desejo.

Questionar crenças para separar cada camada

Como podemos ver com o exemplo anterior, cada foco mental alimenta o próximo, criando assim uma camada após a outra onde a depressão adere muito mais ao próprio ser. Idealmente, não devemos alimentar este processo. Se estou ciente de que me sinto mal, evito reforçar essa realidade, através da passividade ou da rendição.

O que vou fazer é me questionar, tentar derrubar minhas crenças contraproducentes, as do estilo ‘tudo dá errado, não valho nada’, etc e vou me perguntar por que estou assim, encontrar a origem e então definir propostas para reverter esse estado.

O desespero se alimenta da sua energia, não lhe dê mais poder

O desespero é um buraco negro que aprisiona tudo. Engloba todos os indícios de luz, cada partícula de ilusão, cada fragmento de otimismo. Alimentá-lo é nosso pior erro; No entanto, nem sempre podemos deixar de jogar os poucos restos de força e luminosidade que nos restam, porque há falta de incentivo, porque não temos apoio ou simplesmente porque não sabemos como fazê-lo.

Nestes casos, é vital que sempre tenhamos ajuda especializada. Nós não podemos fazer isso sozinhos, e mais quando o desespero na depressão nos leva àquele abismo onde as idéias mais extremas e perigosas surgem. Evitemos chegar a esses limites e reagir com o tempo, porque a depressão é tratável e os esquemas mentais tão prejudiciais podem ser alterados por outros mais flexíveis, poderosos e resilientes.

Vamos levar isso em conta.

Escrito por Valeria Sabater para o portal la mente es maravillosa
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here