Ame-me assim: livre, às vezes confusa, ousada, caótica às vezes, imperfeita. Não me desejes dócil, nem submisso nem silenciosa, não idealizo o amor de panfletos nem apago aquelas nuances que nos tornam únicos para mim e para você. Caso você queira assim, melhor me deixar ir, me devolver ao meu mundo, às minhas correntes, à minha solidão nutritiva, às minhas raízes …

Benjamin Franklin disse com grande sucesso que em nosso mundo há três coisas particularmente difíceis, uma era de aço, outra era de diamante e a terceira para se conhecer. É claro que tal tarefa não é fácil, que nos imergir nos recifes de nossas inseguranças, nossos medos, preocupações, virtudes e obscuridades, requer um talento paciente e corajoso.

No entanto, poucas coisas são tão valiosas quanto a delimitação dessas fronteiras pessoais, que conquistam espaços privados e o autoconhecimento para manter uma autêntica fidelidade a nós mesmos. Só assim poderemos estabelecer relações afetivas mais satisfatórias, só assim daremos forma a uma existência mais integral e consistente aos nossos valores, onde os comportamentos e pensamentos estão sempre em estrito equilíbrio.

Agora, há um fato que devemos ter em mente. Recentemente, o Dr. Yi Nan Wang, pesquisador conhecido de psicologia da personalidade, disse em uma de suas obras que muito dos casais vêm a parte “diluída” do seu ego para conseguir uma sintonia melhor com sua amada.

Assim, o Dr. Wang sugere que podemos desenvolver o que ele mesmo cunhou como “autenticidade equilibrada”. É um conceito baseado na teoria psicossocial de Erikson, onde somos lembrados de que toda relação mutuamente satisfatória passa antes de uma fase em que se pode definir sua identidade.

A necessidade de praticar uma autenticidade saudável

Talvez no passado você fosse dócil, manejável, complacente … A maioria de nós foi por alguns anos porque é assim que eles nos educaram, porque os outros queriam. Dessa forma, é claro, éramos mais fáceis de lidar, controlar; fomos bons em nos adaptar às engrenagens de uma sociedade onde às vezes ter uma voz sua é pouco mais que audácia.

Tudo isso significa que temos um certo medo ou relutância em mostrar nosso autêntico “eu”. Além disso, e apesar de ter claro que esses pensamentos, vozes e sentimentos são essenciais para nossa integridade, dizemos a nós mesmos que não, é melhor não ser visto, não ser ouvido, não ser notado demais. Nós tememos ser rejeitados por eles, tememos antagonizar os outros, danificar seus sentimentos, quebrar os esquemas que foram feitos em nossa pessoa …

No entanto, em que estado é nosso esquema pessoal ou nossa identidade? É boicotado. Nós nos tornamos nosso próprio atirador emocional por não sermos capazes de praticar uma autenticidade saudável. Nós nos tornamos vítimas de nossa própria engenhosidade por pensar que ser autêntico pode causar algum dano àqueles que compõem nosso ambiente, quando não é.

Mostrar-nos ao mundo como somos, como pensamos e sentimos não é um ato de agressão. O oposto. Com isso, definimos fronteiras e criamos espaços mais francos, saudáveis ​​e dignos.

Foi Aristóteles quem certa vez disse que a autenticidade mais saudável passa pelo que ele chamou de “equilíbrio de ouro”, em que ser franco não precisa doer ou causar rejeição, já que o que praticamos é a honestidade.

Não me queira dócil, me ame com minhas nuances, com as minhas luzes e escuridão

Dr. Yi Nan Wang, da Universidade Normal de Pequim, criou recentemente a escala interessante “AIRS” (escala de autenticidade em relacionamentos), que visa medir o nível de autenticidade dos dois membros em um relacionamento. Algo que foi concluído é que uma das chaves para o bem-estar social na população é precisamente que os indivíduos são capazes de praticar essa honestidade pessoal acima mencionada e esse senso autêntico de identidade onde nós não boicotamos a nós mesmos ou deixamos outros fazem isso.

1. Eu sempre escondo meus pensamentos verdadeiros por medo da desaprovação dos outros.
2. Eu gosto de cuidar dos outros.
3. Não me atrevo a dizer aos outros a verdade para não prejudicar seus sentimentos.
4. Tenho plena consciência de que devo me comprometer comigo mesmo.
5. Eu sempre encontro maneiras de reconciliar minhas necessidades e as dos outros.
6. Eu nunca desistiria do meu verdadeiro eu nem permitiria que alguém que estivesse comigo fizesse isso por mim.
7. Eu costumo dizer a verdade sem me preocupar como os outros podem reagir.
8. priorizo, os sentimentos dos outros não são importantes
9. Eu quase sempre ofendi as pessoas falando francamente.

Como avaliar a escala de autenticidade

Certamente já fizemos uma pequena ideia sobre como a escala é pontuada. No entanto, pode-se dizer que mede três dimensões:

. Os itens de 1 a 3 representam autenticidade distorcida, em que as pessoas geralmente abandonam seus próprios sentimentos e identidade em relação aos dos outros.

. Os itens 4 a 6 representam uma autenticidade equilibrada ou a capacidade de nos expressar em liberdade e respeito, levando em conta tanto nossas necessidades como as dos outros.

. Os itens 7-9 representam autenticidade egocêntrica ou aquela tendência extrema em que podemos cair em egoísmo ou agressão, priorizando-nos a ponto de ferir ou ofender os outros.

Para concluir, como pudemos ver não apenas nas relações entre os casais, devemos ser capazes de praticar essa autenticidade equilibrada onde a honestidade é combinada com respeito, liberdade com afiliação e auto-estima com o próprio crescimento do casal. É realmente uma dimensão para praticar em todas as áreas de nossas vidas, onde não vale a pena ser dócil, ou submisso, mas luminoso, com caráter, único e claro, maravilhoso.

Fonte indicada: La mente es maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here