Nosso estilo de vida moderno está sob escrutínio. Mais e mais pessoas questionam se nosso modo de viver aumenta a inteligência ou, ao contrário, nos faz cair em uma espécie de torpor mental, como se estivéssemos no piloto automático. Os cientistas também levantaram essa questão e analisam nosso QI há décadas. Seus resultados não são animadores.

Efeito Flynn: Os anos em que a inteligência floresceu

Os testes para medir o QI que foram aplicados desde o século XX sugeriram que a inteligência humana estava aumentando. É o que é conhecido como o efeito Flynn. Em 1980, James R. Flynn coletou dados de 35 países usando os testes padronizados de inteligência WISC e Raven. Ele descobriu que o IC aumentava em média 3 pontos a cada dez anos.

Por que esse aumento de inteligência ocorreu?

Existem várias hipóteses. Um deles visa melhorar a dieta, que fornece todos os nutrientes necessários para o cérebro se desenvolver e atingir seu potencial máximo. Outra teoria aponta para a tendência de criar famílias com menos filhos, o que lhes permite proporcionar um ambiente mais favorável às crianças. Uma hipótese final refere-se à crescente complexidade do ambiente, que atuaria como um estímulo para a inteligência.

O declínio da inteligência

Em 2004, pesquisadores da Universidade de Oslo levantaram o alarme para indicar qual seria o fim do efeito Flynn. A partir da análise do quociente intelectual de 500.000 pessoas, eles observaram que na década de 1990 houve um pico nos resultados obtidos nos testes de inteligência, mas depois esse crescimento cessou e houve até uma ligeira diminuição no subteste de raciocínio. numérico

Eles não foram os únicos, naquele mesmo ano, um grupo de psicólogos da Universidade de South Adelaide, na Austrália, apresentou os resultados de 20 anos de pesquisa com crianças entre 6 e 13 anos que frequentavam a mesma escola. Seus resultados indicam que, de 1981 a 2001, o quociente de inteligência parou de crescer e até observaram uma diminuição na velocidade de processamento.

Qual é a razão para esta diminuição no QI?

A teoria disgênica é uma das explicações mais difundidas. Segundo essa teoria, as pessoas mais inteligentes e instruídas geralmente têm menos filhos, o que acabaria afetando estatisticamente o nível de inteligência geral. Ao mesmo tempo, é provável que as pessoas com QI mais baixo tenham mais filhos e recebam menos escolaridade, para que obtenham resultados mais baixos nos testes de inteligência, o que contribuiria para uma diminuição dos resultados ao longo do tempo e um ” embotamento “da população em geral.

A era da “cultura lixo”?

Um estudo mais recente realizado na Universidade de Michigan, que avaliou dados de mais de 700.000 pessoas, confirmou o declínio de pelo menos 7 pontos por geração, que começou em meados da década de 1970, como mostra o gráfico abaixo. Esses pesquisadores afirmaram que “o declínio da inteligência reflete fatores ambientais e nenhuma mudança na herança disgênica”.

Esses psicólogos compararam precisamente o QI de crianças nascidas em anos diferentes e descobriu que em vez de ser semelhante, como sugerido pelo teoria disgênica, as pontuações de QI diferem significativamente. Isso significa que nossa inteligência é determinada pela sociedade em que crescemos, pelos interesses que promove e pela educação que recebemos.

Se nós crescemos em uma sociedade que promove o livre pensamento – realmente – e estimula a criatividade, é propensos a desenvolver ao máximo a nossa inteligência. Se a sociedade nos leva longe de propor reflexão exclusivamente projetado conteúdo para “matar o tempo” e determina continuamente o que nós não têm a oportunidade de desenvolver nossas habilidades na resolução de problemas.

Hoje, mais do que nunca, a tecnologia digital está controlando nossa atenção de maneira viciante. Ao contrário televisão, a “caixa idiota” ficou em casa, o móvel nos acompanha em todos os lugares, tornando-se um agente disruptor que constantemente exige a nossa atenção submergindo em um estado de “consciência mínima”. E sem atenção, não pode haver pensamento crítico.

Nós não só consumimos junk food, mas também “junk culture”. E isso se reflete em nossa capacidade de resolver problemas, escolher informações relevantes e, por fim, formar um pensamento crítico. A decisão está em nossas mãos.

Escrito por Jennifer Delgado Suárez do site Rincón Psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here