A falta de amor é uma falta que marca, especialmente em certas idades ou em certos momentos da vida. Tanto é assim que muitas vezes estamos completamente presos na era emocional do desamor. Em outras palavras, a ausência de afeto impede nosso desenvolvimento e não podemos avançar até que essa ferida cicatrize.

O conceito de “maturidade” é basicamente isso: um conceito. Na prática, todos nós carregamos em nós uma multidão de eras em nosso ser. Um deles predomina, mas os outros estão presentes. Isso é uma fortuna, já que nos possibilita desfrutar de um jogo infantil e enfrentar os problemas com a sabedoria de um adulto.

No entanto, existem circunstâncias que nos fixam em uma certa idade. Em particular, estamos ligados à idade emocional do desgosto, se não elaborarmos essa falta. Isso pode ter se originado em uma idade muito jovem. Se assim for, mesmo as pessoas idosas podem ser, emocionalmente, aquela criança que temia e magoava não ter laços significativos.

A primeira idade emocional do desamor

Em tenra idade, todas as experiências têm um impacto profundo. É nesses estágios que as fundações do que somos e somos serão forjadas. Isso não significa que em fases posteriores essa necessidade de afeto não permaneça, mas nos primeiros anos sua incidência é decisiva.

Quando uma criança tem entre 1 e 2 anos de idade e carece de afeição, a primeira coisa que é ferida é seu senso de confiança. Espere a mãe, ou quem cuida dela, para as suas necessidades.

Se isso não acontecer, ou ocorrer no meio de rejeição e agressão, provavelmente será muito difícil para você confiar nos outros a partir de então. Também confie em si mesmo. Esta é a primeira maneira pela qual alguém corre o risco de ficar preso na idade emocional do desamor.

A falta de amor, autonomia e independência

Aos 2 ou 3 anos de idade, a criança inicia formalmente seu caminho para a autonomia. Tem a ver, em primeiro lugar, com o treinamento higiênico. Próximo a ele, com todas as atividades que permitem que você fique em pé no mundo.

Nestas eras, uma mãe amorosa, ou quem quer que assuma seu lugar, promove essa autonomia com afeto e sem pressa. Ele não pergunta ao filho mais do que ele pode dar pelo seu nível de desenvolvimento e sua história de aprendizado, nem interrompe seu desenvolvimento fazendo por ele, o que ele poderia fazer sozinho. Nem o amor deve se tornar dependente, nem a promoção da autonomia no abandono.

Esse processo de independência se estende ainda mais durante o período entre 3 e 6 anos, geralmente. Nada no humano tem datas exatas. Seja como for, essa é a idade da grande exploração do mundo. Uma criança amada empreende esta aventura sem medo. Se não, você provavelmente será autoconsciente e com medo, mesmo que não haja perigos.

Na idade escolar, a criança desenvolve um amor pelo trabalho e diligência. Claro, se uma mão amorosa o orienta. Caso contrário, ele assumirá seus deveres escolares com um sentimento de inferioridade. É outra maneira de se envolver na era emocional do desamor.

Os efeitos na idade adulta

Percebemos que ficamos presos em uma era emocional de desamor quando exibimos certos traços de personalidade em nossa vida adulta e não podemos explicar por quê. Nós também não podemos mudar, embora pensemos que é apropriado.

Alguém que carrega deficiências afetivas da infância será inseguro, tímido e cheio de medos. Será preciso muito trabalho para se reafirmar, saber o que você quer e expressar o que você sente. Você terá muitas dificuldades para definir metas e apostar nelas; seu medo será maior que sua ilusão. Principalmente, ele será uma pessoa muito passiva, mesmo em sua vida sexual, o que lhe custará desfrutar.

O que fazer então? Feridas por falta de afeto podem curar em grande medida. No entanto, eles não farão isso apenas porque. É necessário trabalhar neles. Uma boa ideia é encontrar maneiras para que o filho deficiente se expresse abertamente. Deixe ele falar. Assuma o papel desse filho e permita que ele diga o que sente, seja por escrito ou com um terapeuta. É uma boa maneira de romper com essa idade emocional de desamor.

Artigo traduzido do site La Mente es Maravillosa
Imagem de capa: artista Ofra Amit

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here