A empatia é uma arte, uma capacidade excepcional geneticamente programada em nosso cérebro para sintonizar com os sentimentos e intenções dos outros. No entanto, e aí vem o problema, nem todos conseguem “acender” esta lanterna que ilumina o processo de construção das relações mais sólidas e enriquecedoras.

Algo que ouvimos frequentemente é que “tal pessoa não tem empatia”, “que o outro é egoísta e completamente desprovido de empatia”. Bem, algo que é importante esclarecer desde o início é que nosso cérebro tem uma arquitetura muito refinada para favorecer essa “conexão”. Afinal de contas, a empatia é mais uma estratégia para mediar a sobrevivência da nossa espécie: permite-nos compreender a pessoa à nossa frente e facilita a possibilidade de estabelecer uma relação profunda com ela.

Essa estrutura cerebral em que a neurociência colocou nossa empatia está no giro supramarginal direito, um ponto localizado apenas entre os lobos parietal, temporal e frontal. Graças à atividade desses neurônios conseguimos separar nosso mundo emocional e nossas cognições para sermos mais receptivos em um dado momento, em relação aos dos outros.

Agora, esclareceu este fato, a próxima pergunta seria, então … se todos nós temos essa estrutura cerebral, por que há pessoas mais ou menos empáticas e até mesmo aquelas que têm uma total e absoluta ausência dela? Sabemos, por exemplo, que o transtorno de personalidade antissocial tem como característica principal a falta de conexão emocional com os outros. No entanto, deixando de lado o aspecto clínico ou psicopatológico, muitas pessoas simplesmente não desenvolvem essa habilidade.

As primeiras experiências, os modelos educacionais ou mesmo o contexto social, enfraquecem essa maravilhosa faculdade em favor de um egocentrismo social muito marcado. Tanto que, como revelado por um estudo realizado na Universidade de Michigan, os estudantes universitários de hoje são até 40% menos empáticos do que os estudantes dos anos 80 e 90.

A vida de hoje já tem tantos estímulos e tantas distrações para muitos jovens e não tão jovens, que deixamos de estar plenamente conscientes do momento presente e até mesmo da pessoa diante de nós. Há aqueles que estão mais sintonizados com seus dispositivos eletrônicos do que com os sentimentos dos outros, e esse é um problema sobre o qual devemos refletir.

Para aprofundar um pouco mais no assunto, propomos abaixo saber quais características definem pessoas que possuem uma autoestima autêntica, útil e essencial para estabelecer relações saudáveis ​​e um desenvolvimento social adequado.

Empatia útil versus a empatia projetada

Um aspecto básico que deve ser esclarecido desde o início é o que entendemos por empatia útil, porque, mesmo que nos surpreenda, não basta simplesmente “ter empatia” para construir relacionamentos sólidos ou para mostrar eficácia emocional em nossas interações diárias.

Para entender, vamos dar um exemplo simples. Maria acaba de chegar em casa cansada, exausta e chateada. Ele só teve uma discussão com seus pais. Quando Roberto, seu parceiro, a vê, ele imediatamente lê em sua expressão e tom de voz que algo não está certo, interpreta seu desconforto emocional e, em vez de gerar uma resposta ou comportamento apropriado, ele escolhe aplicar a empatia projetada, isto é, amplifica ainda mais essa negatividade com frases como “você está voltando de novo com raiva, é que você leva as coisas para o tremendo, a mesma coisa sempre acontece com você, olha o rosto que você tem …”

Não há dúvida de que muitas pessoas são hábeis em empatizar emocionalmente e cognitivamente com os outros (elas sentem e entendem o que acontece), no entanto, ao invés de mediar a canalização e o manejo adequado desse desconforto, elas o intensificam.

A pessoa habilitada em empatia, portanto, é aquela capaz de calçar os sapatos dos outros, sabendo sempre como acompanhar nesse processo, sem danificar e sem agir como um espelho onde a dor é amplificada. Porque às vezes não é suficiente para entender, você tem que saber como agir.

Empatia autêntica deixa os julgamentos de lado

Nossos julgamentos diluem nossa capacidade de proximidade real com os outros. Eles nos colocam de um lado, de um lado do vidro, numa perspectiva muito reduzida: a nossa. Deve-se dizer, além disso, que não é exatamente fácil ouvir alguém sem fazer julgamentos internos, sem colocar um rótulo, sem avaliar essa pessoa como hábil, desajeitada, forte, sem noção, madura ou imatura.

Todos nós o fazemos em maior ou menor grau, porém, se pudéssemos nos despir desse processo, veríamos as pessoas de uma maneira mais autêntica, teríamos muito mais empatia e capturaríamos com mais precisão a emoção do outro.

É algo que devemos praticar diariamente. Uma habilidade que, de acordo com vários estudos, geralmente vem à medida que envelhecemos, já que a empatia, assim como a capacidade de ouvir sem julgar, é mais comum à medida que acumulamos experiências.

Pessoas com empatia têm uma boa consciência emocional

A empatia é uma parte essencial da Inteligência Emocional. Sabemos que esta abordagem, esta ciência ou uma área tão bem sucedida de psicologia e crescimento pessoal está na moda, mas … Nós realmente aprendemos a ser bons gerentes de nosso mundo emocional?

. A verdade é que não muito. No momento, ainda vemos muitas pessoas que lidam de forma leve e com supostos termos de eficácia como autorregulação, resiliência, proatividade, assertividade … No entanto, eles não têm um inventário emocional autêntico e continuam sendo levados pela raiva, raiva ou frustração como uma criança de 4 anos.

. Outros, por outro lado, pensam que ser “empático” é sinônimo de sofrimento, como um contágio emocional no qual sentir o que outro sente a sentir a mesma dor dos outros como um tipo de mimetismo de desconforto.

Não é adequado. Devemos entender que a empatia saudável, útil e construtiva é parte daquela pessoa que é capaz de controlar suas próprias emoções, que tem uma forte auto-estima, sabe definir limites e que, por sua vez, é adepta de acompanhar emocionalmente e cognitivamente. Aos demais.

A empatia é um compromisso social

A neurociência e a psicologia moderna definem a empatia como a cola social que une as pessoas e que, por sua vez, gera um compromisso real e forte entre nós.

Curiosamente, no reino animal, o conceito de empatia está muito presente por uma razão muito específica que apontamos no início: a sobrevivência da espécie. Algo como isto gera que muitos animais e diversas espécies mostram comportamentos cooperativos onde a idéia clássica da “sobrevivência do mais apto” permanece. Um exemplo disso pode ser visto em certas baleias, capazes de atacar as orcas para defender os selos.

No entanto, em muitos casos, o efeito inverso prevalece, ou seja, a necessidade de impor um ao outro, de procurar inimigos, de criar fronteiras, de criar muros, de tornar invisíveis as pessoas ou mesmo de atacar os mais fracos, fraco ou diferente (pense em casos de bullying).

Por outro lado, as pessoas que se caracterizam por uma empatia autêntica acreditam no compromisso social. Porque a sobrevivência não é um negócio nem deve compreender política, interesses ou egoísmo. Sobreviver não é apenas permitir que nosso coração bombardeie, é ter dignidade, respeitar, sentir-se valorizado, livre e parte de um todo onde todos somos valiosos.

Essa é a verdadeira empatia: nos colocamos no lugar do outro para facilitar, por sua vez, uma convivência cheia de harmonia. Vamos trabalhar nisso todos os dias.

Artigo escrito por Valeria Sabater, via La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here