Outro dia, assistindo ao ótimo “Todas as razões para esquecer”, revisitei algumas dores esquecidas e respirei aliviada ao perceber que as emoções de Antônio, o personagem central, já foram vivenciadas por mim e deixadas para trás. No longa brasileiro, Johnny Massaro interpreta um jovem que leva um fora da namorada e tem que aprender a lidar com toda tristeza e mágoa decorrentes de uma separação, até o momento em que começa a encontrar meios de superar e seguir em frente.

É quase impossível assistir ao filme sem nos identificarmos com Antônio, com toda dor e fragilidade experimentadas por ele, ou nos comovermos diante do momento em que ele finalmente percebe que não há mais o que fazer, senão tocar a vida aceitando o fim de seu relacionamento.

Caio F. Abreu tem uma frase que gosto muito que diz: “É da natureza da dor parar de doer”. Gosto tanto dessa frase porque ela traz esperança. Porque ela nos faz perder o medo de sentir dor. Porque ela nos autoriza a experimentar a aflição, sabendo que essa angústia não será definitiva.

Já estive no lugar de Antônio e superei, mesmo achando que jamais iria sair dessa. O que aprendi com a experiência foi que é preciso acolher a tristeza, vivenciar o luto, se permitir chorar, mas nunca abrir mão de si mesmo e do amor-próprio na tentativa de reverter a situação.

Certas coisas jamais podem ser cobradas. Atenção, amor e permanência num relacionamento são algumas delas. Então, se o outro quer ir, deixe-o ir. Não insista, não tente convence-lo do contrário, não perca o amor-próprio suplicando por uma reconciliação. A dor da perda não é nada comparado à opressão de permanecer numa relação em que somos aturados, e não amados.

Quando você se diminui, você alimenta a dor. Quando você aceita migalhas como prova de atenção, você prolonga o sofrimento. Quando você cobra algo que deveria ser espontâneo, você perde a paz. Quando você se recusa a aceitar aquilo que não pode mudar, você se machuca o dobro. Quando você insiste em conversar com suas feridas, você não se cura.

Numa das cenas do filme que citei, Antônio, já recuperado, diz: “Eu acho que o que faz diferença é saber que vai doer e respeitar. Porque no final, de uma forma muito estranha e inexplicável, vai ser bom também”.

Então é isso. Não se cobre tanto. Não é de uma hora para outra que para de doer, nem da noite para o dia que a gente esquece. Na verdade a gente nunca esquece, pois se foi importante, se acrescentou algo bom, as digitais permanecem. O que acontece é que a dor vai dando lugar ao entendimento, e a lembrança deixa de ser uma experiência mordaz para ser algo tênue, um lembrete de que fomos modificados para sempre…

Compre meu livro “Felicidade Distraída” aqui: https://amzn.to/2P8Hl2p

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fabíola Simões
Escritora mineira de hábitos simples, é colecionadora de diários, álbuns de fotografia e cartas escritas à mão. Tem memória seletiva, adora dedicatórias em livros, curte marchinhas de carnaval antigas e lamenta não ter tido chance de ir a um show de Renato Russo. Casada há dezessete anos e mãe de um menino que está crescendo rápido demais, Fabíola gosta de café sem açúcar, doce de leite com queijo e livros com frases que merecem ser sublinhadas. “Anos incríveis” está entre suas séries preferidas, e acredita que mais vale uma toalha de mesa repleta de manchas após uma noite feliz do que guardanapos imaculadamente alvejados guardados no fundo de uma gaveta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here