Como é fácil amar uma pessoa por sua beleza (interna e externa), quando sua saúde é excelente, quando ela é próspera, quando ela é apaixonada, quando a consideramos digna de confiança e, acima de tudo, quando ela é feliz. Todos podem fazer isso. Mas amar o lado obscuro de uma pessoa, compreendê-la, aceitá-la, ajudá-la a superar seus medos, seus fracassos, suas dúvidas, suas doenças e sua pobreza, é o verdadeiro desafio que poucos podem alcançar.

Eu não acredito! E você sabe por quê? Porque todos, ou pelo menos a maioria, uma vez em nossas vidas, passamos por aqueles dias em que acordamos tão insuportáveis ​​que não podemos nos colocar de pé. Há também dias em que a tristeza nos envolve e acordamos com chuva nos olhos e pequenos colapsos na alma. Ou simplesmente, há aqueles dias que eu chamo de “pausa”, em que a apatia nos toma e não temos vontade de nos levantar. Onde levantamos o queixo e o céu parece tão distante. Ou quando a criança interior reaparece dizendo que temos dentro, mas nunca dizem que às vezes estão machucados.

E todos são momentos em que nos sentimos vulneráveis ​​e desamparados e, de alguma forma, tentamos escapar até de nossos sentimentos, porque não sabemos como lidar com eles ou porque tememos encarar a nós mesmos. E tudo o que acontece no nosso lado negro, não é culpa do nosso parceiro, mas de todos. No entanto, muitas vezes (inconscientemente ou não intencionalmente) nós os ferimos com nossas atitudes, forçando-os a reagir como um animal ferido.

É verdade que há momentos em que usamos nossa energia muito pouco positivamente e não percebemos o que estamos fazendo e como os outros nos percebem com nossas atitudes. Criamos barreiras, distância e muitos problemas.

Talvez eu seja um pouco louco, mas acho que precisamos ser mais humanos, porque a partir dessa perspectiva, percebemos que, quando nos sentimos vulneráveis, gostaríamos menos de ser julgados. Mas, pelo contrário, coloque-se por um momento no lugar do outro e veja que são momentos em que mais precisamos ter ternura e cuidado para deixar nosso refúgio; esforço para entender nossas circunstâncias e, assim, nos dar um incentivo eficaz que nos permita desenvolver nossa coragem e sabedoria.

E essa é precisamente a chave para tudo, esse é o segredo dos casais duradouros: eles são empáticos. Eles protegem uns aos outros nos momentos mais vulneráveis ​​que cada um passa, eles cuidam um do outro do fundo de seus corações. Eles sabem que o amor é um compromisso que é selado nos dias da provação, que, apesar de quão difícil pode ser amar esse lado obscuro de seu parceiro, com a vontade pode ser resolvida. E é assim como o dia e a noite andam de mãos dadas, no amor o bem e o não tão bom também.

Mas cuidado: há pessoas que, quando sabemos, não mostram aquela parte obscura, que não deveria ser permissível por qualquer razão, aqueles adjetivos egoístas, infiéis, prejudiciais, vis, indelicados e ingratos e alguns qualificados que poderíamos imaginar. Esses tipos de pessoas não merecem nenhum entendimento e, muito menos, ser amados. É injusto e um grande desperdício de tempo investir energias tentando ser pacientes e amorosos com elas, porque regularmente elas nunca mudam. Não confunda ser compreensivo com permissivo em nenhuma dessas circunstâncias.

É por isso que hoje está tão na moda não querer compromissos e dizer desde o início “primeiro você tem que nos conhecer bem”, então, se o que sabemos sobre o nosso parceiro não gostarmos, temos a liberdade de correr pela primeira vez. Este conceito de compromisso moderno nos predispõe a um relacionamento de curto prazo. Que quando as máscaras começam a cair e quando as fraquezas começam a surgir e precisamos de apoio e apoio emocional do nosso parceiro, é hora de fugir. Portanto, desde o início, o pacto é que eles apenas “amam” no seu melhor. O que nos leva a fingir, não ser autêntico, a desempenhar um papel, a ser quem não somos, a nos desgastar, a parar de amar a nós mesmos e deixar de amar alguém que ama quem não somos. E é quando o amor acaba. E não deve ser assim, o amor autêntico ama mais na tempestade, na escuridão, na dificuldade, na pressa, no perigo, surge mais forte quando é mais necessário.

E não é sobre o pragmatismo que conhecemos neste mundo superficial, mas sim sobre tornar o amor menos descartável, não jogá-lo fora quando vemos que aquele que amamos não é tão perfeito. Estes são almas comprometidas e convencidas a amar, a estarem dispostas a viver a experiência do amor como tal e não a simples paixão, onde só vemos o que queremos ver: a parte mais bonita.

Portanto, quando você vê seu parceiro enfraquecido, ferido ou com medo, não cometa o erro de dar um passo para trás e ser esmagado por sua vulnerabilidade, alimenta melhor o amor que você tem dando um passo adiante para abraçar, acalmar, confortar e fazer isso. sinta-se amado Isso está em suas mãos. Todos nós merecemos a oportunidade de amar e ser amados como somos, sem a necessidade de fingir, de ser o que não somos na realidade. Na montanha-russa que é esta vida, no turbilhão de paixões que é a nossa vida e no curso de mudança da nossa realidade, o amor deve adaptar-se, ajustar-se, ajustar-se, mas nunca terminar. É por isso que … Se você vai se apaixonar, se apaixone completamente. Do bem e do mal, mas … Melhor não se apaixonar.

Via elacorazado, a partir do site Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here