– Você já reagiu mal emocionalmente sem entender o que desencadeou essa resposta?

– Uma pessoa provoca uma profunda rejeição, mas você não sabe por quê?

– Ultimamente você se sentiu mais triste, irritado ou frustrado?

– Se assim for, é provável que sofra de uma alergia psicológica.

Todos conhecemos a alergia, uma reação de defesa do organismo a substâncias externas que penetram no corpo. Quando o nosso sistema imunológico detecta essas substâncias, que podem ser de um alimento para o pólen, reconhece-as como estranhas e tenta neutralizá-las, desencadeando uma série de sintomas bastante irritantes.

No entanto, todos nós temos – e precisamos – de um sistema imunológico emocional. Este sistema nos ajuda a permanecer seguros e evita, por exemplo, que nós convidemos um completo estranho para nossa casa que faz nosso cabelo ficar em pé. Quando esse sistema funciona corretamente, ajuda a nos proteger, serve como uma bússola para guiar nosso comportamento. O problema é que quando vivenciamos uma situação muito emocionalmente intensa, esse sistema pode começar a falhar, provocando uma alergia emocional.

O que é alergia emocional?

A palavra alergia vem do grego, das palavras alos e ergos. Alos significa outro, diferente, estranho. Ergos significa reação. Portanto, a alergia não seria mais do que uma reação ao que é diferente, o que não é reconhecido como seu e que é classificado como um perigo potencial.

No nível psicológico, o conceito de alergia emocional tornou-se relevante na década de 1950, principalmente a partir da mão de P. Sivadon, que achava que a hipersensibilidade a certas emoções torna-se um mecanismo patogênico central que acaba desencadeando outras patologias.

Portanto, a alergia emocional seria uma reação intensa do ponto de vista emocional a uma pessoa ou situação atual que nos lembra, consciente ou inconscientemente, de um evento negativo e emocionalmente chocante de nossa história de vida.

As pessoas que são mais suscetíveis a certas emoções, geralmente de uma valência negativa, tendem a responder de maneira semelhante àquelas que sofrem de alergia quando expostas ao alérgeno:

– Eles experimentam essa emoção negativa com mais frequência do que a pessoa média.

– A emoção é ativada com inúmeros estímulos, a maioria dos quais passa despercebida pela pessoa comum ou não os incomoda.

– Quando a reação foi ativada, ocorre uma convulsão emocional completa; isto é, a capacidade de agir racionalmente é perdida.

Como essa alergia psicológica é desencadeada?

A alergia emocional é estabelecida de maneira semelhante à alergia física: é o resultado de nossa exposição a uma experiência que, por algum motivo, desencadeou uma forte reação emocional. Então, sempre que nos expormos a estímulos que nos lembrem dessa experiência ou gerem uma emoção semelhante, tenderemos a reagir excessivamente emocionalmente, porque um mecanismo de defesa psicológico é desencadeado.

A este respeito, um estudo pioneiro realizado na Universidade de Wisconsin propõe que os sinais de neuroinflamação que acompanham síndrome de burnout, uma condição caracterizada por apatia em responder a uma resposta imune a patógenos origem não somática, maneira que eles descreveram como uma resposta “alergia emocional”.

Blankert sugere que “as pessoas com síndrome de burnout na fase de exaustão tornaram-se emocionalmente alérgico a alguns aspectos do seu trabalho” e que “a palavra intuitiva ‘alergia’ se encaixa bem com o sofrimento neuroinflamação, bem como a impacto geral que esta situação tem sobre o sistema imunológico “.

Na prática, se uma pessoa já tem alguma hipersensibilidade emocional, exposição a situações consideradas como um sério perigo – embora eles realmente não são, você pode gerar emoções que pode parecer à primeira vista superados ou minimizados, mas são ativadas mais tarde, quando Ocorre outra situação que atua como um lembrete emocional do evento original, que geralmente desencadeia angústia, agitação e confusão.

As consequências da alergia emocional

As reações desencadeadas por uma alergia psicológica não são racionais, por isso podemos agir de forma muito desadaptativa. Isso porque não estamos reagindo à situação em si, mas sim como uma representação da situação passada.

O mesmo vale para uma pessoa. Na prática, se tivermos uma alergia emocional, não manteremos o relacionamento com a pessoa que está à nossa frente, mas com o nosso passado, com todo o lastro emocional que essa pessoa ativou, sem perceber, do nosso passado. Tudo isso pode nos levar a tomar decisões erradas.

De fato, a dificuldade em um nível emocional de discernir entre o seguro e o inseguro pode nos levar a assumir riscos desnecessários ou, ao contrário, evitamos situações que seriam benéficas e em desenvolvimento.

A isso se acrescenta que, de acordo com Sivadon, a alergia emocional costuma ser o prelúdio de problemas psicológicos mais sérios, como crises de ansiedade ou transtorno de estresse pós-traumático. Se não pudermos detectar esses alérgenos emocionais, eles acabarão escapando do nosso controle. É provável que essa alergia perca pouco a pouco sua especificidade e amplie seu campo de ação, tornando-se uma intolerância cada vez mais ampla a diferentes emoções ativadas por estímulos sempre mais variados.

Como evitar que a alergia emocional piore?

Existem diferentes maneiras de evitar que a alergia emocional se agrave. A técnica de dessensibilização sistemática é geralmente muito eficaz, como acontece com muitas alergias físicas. Consiste em se expor, de maneira controlada, aos estímulos que desencadeiam essas emoções negativas.

Se a reação emocional é muito intensa, o primeiro exercício é feito mentalmente, apenas visualizando a situação ou a pessoa que gera essas emoções. Então você pode se mover para a realidade, dosando o grau de exposição para que a ansiedade não seja tão alta a ponto de reforçar o problema.

Desta forma, ficamos, por um lado, cada vez mais tolerantes ao alérgeno, até que ele não cause nenhuma reação e, por outro lado, desenvolvamos nossa resiliência, aprendemos a administrar melhor nossas emoções, para que ao invés de nos tornarmos nossas inimigos, pode cumprir o seu papel de proteção.

Escrito por Jennifer Delgado Suárez em Rincón Psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here