Ouvimos muitas vezes sobre empatia, sua importância nas relações sociais, seus efeitos poderosos na comunicação com o outro, a necessidade de incorporá-lo em nossas vidas como algo indispensável nele. No entanto, não ouvimos muito sobre o peso que ocupa em um relacionamento psicoterapêutico e como, sem isso, o barco de terapia se afasta. Longe de seu lugar no mundo, ela se desvia do prognóstico.

A empatia do terapeuta para com o paciente é tão necessária e vital para o seu bom funcionamento quanto é para nós o ar que respiramos. É um bem que não pode ser dispensado.

Na terapia como na vida as pessoas também se perdem

Naturalmente, mesmo quando em terapia, o paciente muitas vezes se sente perdido. Ele sente que sua vida vai sem uma direção fixa. Sem uma luz muito poderosa e visível na qual você possa guiar seus passos. Sua jornada começa a ser apalpada entre a escuridão da estrada e os pequenos flashes de luz que aparecem em suas valas.

O terapeuta não pode deixar de seguir esse caminho. Esse caminho que entre as circunstâncias e sua vontade escolheu aprender as lições da vida que o construirão como uma pessoa. Muitas vezes você pensa que o trabalho de um psicólogo é expulsar a pessoa daquele caminho incerto em que se encontra: fornecer-lhe a motivação para se afastar dos momentos em que deve viver para o benefício de seu próprio crescimento.

A vida é por vezes incerta e esta é uma realidade que temos de assumir

Andar pela vida de uma maneira incerta é natural e humano. Não devemos nos assustar com isso. A vida é como uma torrente de água que muda de direção, mas sempre avança. É como aquele fluxo de água que às vezes se torna um fluxo fraco … mas, em vez disso, outras vezes depois de uma boa tempestade, ele recuperará a força dos tempos passados.

Até o caminho que corre ao longo de um rio é incerto. Sua movimentação e confiança cega na terra que as inundações são o motor que o leva a continuar nessa estrada oscilante. Tão variável quanto a nossa vida.

Algo semelhante acontece na psicoterapia. A pessoa se sentirá perdida muitas vezes. Mas é muito diferente sentir-se perdido sendo acompanhado para se sentir assim sem o apoio e apoio de alguém. A mera presença do psicoterapeuta não fará com que o paciente se sinta acompanhado. O paciente se sente acompanhado na medida em que o terapeuta está retornando cada um dos fios que ele está enviando. Ter uma atitude empática e respeitar os ritmos do paciente é crucial nesse processo.

Uma boa metáfora sobre empatia

Há alguns anos, ouvi uma bela metáfora sobre o processo de acompanhamento na terapia. Foi-lhe dito por um psicólogo especializado em sofrimento que aprecio e admiro profundamente. Ele disse que o paciente, ou a pessoa que nos traz a dor, está jogando uma série de tópicos. Sim, como os fios de um novelo de lã. Ele os joga em seu próprio ritmo. Às vezes eles demoram para jogá-los e outros fazem isso de uma só vez.

O terapeuta pega os fios que o paciente lança nele, mas longe de deixá-los de lado, ele retorna cada um deles com um feito por ele mesmo. Pouco a pouco os fios são cruzados e um tear é criado. Este tear personalizado será aquele que servirá de apoio e no qual em ocasiões futuras o paciente poderá se retirar. O tear que ambos criaram é uma metáfora de como é o relacionamento terapêutico.

Terapeuta e paciente navegam no mesmo barco

A relação terapêutica não pode ser entendida sem empatia. A empatia é esse apoio, é esse maravilhoso tear sobre o qual avança o processo terapêutico. Todos os gestos, todas as emoções, todos os pensamentos, todas as necessidades são ouvidos, compreendidos e devolvidos de uma maneira mais clara, mais apurada e mais ajustada à pessoa que está diante de nós.

O terapeuta não navega em um barco diferente. Ele está no mesmo barco que seu paciente. E eles navegam juntos. Acompanha-o nesta jornada incerta e cheia de vida.

Se eu não retornar cada uma das linhas que o paciente me envia, não posso construir uma relação de confiança com ele. Não estaremos sintonizados e o paciente, longe de me perceber como alguém próximo a mim, acabará me percebendo como uma figura distante e turva que não poderá confiar e, ainda mais doloroso, não poderá se sentir livre para ser ele mesmo.

O terapeuta também deve ouvir o que não é dito em palavras

Mas é para voltar … você tem que ouvir. Você tem que ouvir cada movimento do nosso paciente. As pessoas falam em vários idiomas diferentes. Nós conversamos com todas as partes do nosso corpo sem precisar dizer uma palavra através de nossa boca. Você tem que ouvir cada um desses idiomas.

Devemos dominar essa sabedoria que muitas vezes não aprendemos nem na corrida nem nos livros. É uma linguagem muito mais sutil e intuitiva. Devemos entender que o canal da vida também passa por esses lugares e, portanto, devemos permanecer neles com nosso paciente. Só assim poderemos ouvi-los e entendê-los.

Entender empaticamente é fundamental na terapia

É nesse entendimento empático que o relacionamento terapêutico é configurado. Como Mariano Yela disse em um artigo em um livro de Carl Rogers e Marian Kinget:

“O psicoterapeuta não sanciona, não censura, não julga o paciente nem age por ele, não indica caminhos nem fecha caminhos; Ele vive com ele seus conflitos e problemas, esforçando-se para entender o significado pessoal que eles têm para o outro. O paciente não encontra nada que o separe ou o incite a mascarar-se”.

O processo terapêutico, portanto, é único e pessoal. Não há pacotes padronizados de respostas ou técnicas universais. Cada pessoa é única em si mesma e devemos sempre nos ajustar a ela. Temos que acompanhá-la nessa jornada que a vida envolve. Uma jornada em que vamos supor que haverá momentos certos e menos certos, porque no final do dia …

O que é, se não, a vida?

Tradução do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here